n. 2 (2015): Trapiche - educação, cultura & artes

Apresentação

Para a revista Trapiche, discutir temas acerca das culturas populares é se disponibilizar a enfrentar alguns desafios. Um deles é abordá-las sem desconsiderar suas singularidades, contradições, histórias e contextos. Partindo para esse enfrentamento, a revista Trapiche elegeu esse tema presente nos nove textos aqui publicados. Apresentamos um coletivo de autores e autoras que nos trazem valiosas reflexões. Na seção Artigos Luciana Hartmann e Joana Abreu problematizam “os procedimentos éticos empregados por aqueles que fazem uso de manifestações performáticas tradicionais na cena contemporânea” e buscam refletir “sobre os seus processos metodológicos de transmissão de conhecimentos”. Neila Maciel faz um recorte na arte moderna baiana, soteropolitana, destacando traços regionais em análise de imagens, considerando-as como discurso visual e ideológico. Andrea Betânia volta-se para a cantoria de improviso para discutir tradição e modernidade através dos festivais de violeiros. No campo dos espetáculos e da dramaturgia nordestina, Reginaldo Carvalho analisa o espetáculo Casamento da Maria (Casamento matuto). O rico universo das cantigas de rodas e os efeitos de sua ludicidade no corpo na formação de professores é o que nos apresenta Cristina Aparecida Leite. Também numa perspectiva pedagógica, Jonas de Lima Sales aborda a corporeidade e estéticas da tradição popular na escola. Na Conexão Estudante, temos dois textos, os dois voltados para sambas tradicionais sergipanos: Jonathan Rodrigues expõe seu processo criativo através do Samba de Pareia, pesquisa realizada como seu Trabalho de Conclusão de Curso, da Licenciatura em Teatro da Universidade Federal de Sergipe e o Samba de Aboio é parte da monografia de especialização de Maria de Fátima de Assis Silva, Virna Fabíola Ferreira Santos e Maria Cleide Calderaro. E para completar esse diverso e rico mosaico de temas e leituras, inauguramos nesta edição a Galeria de fotos, mostrando crianças atuantes em folguedos, imagens realizadas em pesquisas. Esperamos, por meio dessa publicação, disponibilizar textos e reflexões que provoquem outras ideias, outros cantos, outras rodas.

São Cristóvão, dezembro de 2015.
Alexandra Gouvêa Dumas
Editora-chefe / Profa. da Universidade Federal de Sergipe

Publicado: 2015-12-15

Edição completa