<b>A maternidade enquanto fator impulsionante para a submissão da mulher africana</b>

  • Beatriz Linhares Silva Letras - UFS
  • Evelyn Ralyne Freire Fonseca Letras - UFS

Resumo

RESUMO EXPANDIDO
O romance Alegrias da Maternidade, escrito por Buchi Emecheta no ano de 1979, elucida as dificuldades vividas pela mulher na sociedade nigeriana, principalmente quanto à problemática da maternidade compulsória. Pelos olhos da personagem principal, Nnu Ego, contemplamos os contrapontos entre tradições africanas - presentes em Ibuza, seu local de origem - e do choque cultural quando muda-se para Lagos, ainda dominada pelos ingleses no processo anterior à independência da Nigéria...

PALAVRAS-CHAVE: África. Maternidade. Mulher. Amor materno.

Biografia do Autor

Beatriz Linhares Silva, Letras - UFS

Graduanda do curso de Letras da Universidade Federal de Sergipe.

Evelyn Ralyne Freire Fonseca, Letras - UFS

Graduanda do curso de Letras da Universidade Federal de Sergipe.

Referências

SAID, Edward W. Cultura e Imperialismo. São Paulo. 1º Ed. Companhia das Letras, 2011.

BADINTER, Elisabeth. Um amor conquistado: o mito do amor materno. Tradução de Waltensir Dutra. Rio de Janeiro. Nova Fronteira, 1985.

Publicado
2019-10-19