<b>Perspectivas do cuidado a partir do trabalho desenvolvido por mães sociais de Casas-Lares, do município de Aracaju-SE</b>

  • Maicyra Teles Leão e Silva Teatro - PPGCult/UFS
  • Raiane de Jesus Santos Ciências Sociais/UFS

Resumo

RESUMO
Entre o final do século XIX e início do século XX, a assistência social no Brasil passou por mudanças paradigmáticas com relação à proteção de crianças e adolescentes, em especial quanto ao acolhimento institucional. Nesse contexto, o artigo se focou na investigação sobre a atuação de profissionais do cuidado, as chamadas Mães sociais, em unidades de acolhimento institucional, na cidade de Ara caju-SE, na atualidade, especificamente nas Casas-lares. Nesse sentido, a pesquisa buscou identificar como ocorre o processo de terceirização da maternagem, exercida nesse âmbito institucional, almejando promover discussões centradas na complexidade dos conceitos de ética do cuidado e vínculo afetivo. Assim, os procedimentos metodológicos transitaram entre leituras acerca da temática e a realização de entrevistas individuais e coletivas, tendo em vista que o objetivo central foi identificar particularidades na constituição da subjetividade dessas profissionais. Os resultados elucidam de maneira explícita como os vínculos afetivos são construídos prontamente entres as mães/ cuidadoras e os infantes/jovens e ressaltam a lacuna quanto ao paradoxo existente nesta terceirização: quem cuida de quem cuida?

PALAVRAS-CHAVE: Casa-Lar. Mães sociais. Cuidado.

 

ABSTRACT
Between the end of the nineteenth century and the beginning of the twentieth century, social assistance in Brazil underwent paradigmatic changes regarding the protection of children and adolescents, especially regarding institutional care. In this context, the article focused on research the performance of care professionals, the socalled social mothers, in institutional care units in the city of Aracaju-SE, currently, specifically in nursing homes, a kind of family like alternative type of care. In this sense, the research sought to identify how occurs the process of outsourcing the maternity, exercised in this institutional scope, aiming to promote discussions centered on the complexity of the concepts of ethics of care and affective bonding. Thus, the methodological procedures moved between readings about the theme and the conduct of individual and collective interviews, considering that the central objective was to identify particularities in the constitution of the subjectivity of these professionals. The results explicitly explain how affective bonds are constructed between mothers / caregivers and infants / youth and highlight the gap in the paradox of this outsourcing: who cares for those who care?

KEYWORDS: Alternative care. Family like care. Social mothers. Care.

Biografia do Autor

Maicyra Teles Leão e Silva, Teatro - PPGCult/UFS

Doutora e Professora Associada do Departamento de Teatro da Universidade Federal de Sergipe. Professora Permanente do Programa de Pós-Graduação em Culturas Populares, na mesma instituição. Coordenadora orientadora da Pesquisa de PIBIC Cuidados Diários: Artistas/Mães Auto-Representando Sua Maternagem Recente.

Raiane de Jesus Santos, Ciências Sociais/UFS

Graduanda do curso de Ciências Sociais da Universidade Federal de Sergipe. Bolsista CNPQ do Projeto de Iniciação Científica PIBIC/UFS 2018-2019, intitulado Cuidados Diários: Artistas/Mães Auto-Representando Sua Maternagem Recente.

Referências

BOFF, Leonardo. Saber cuidar: ética do humano, compaixão pela terra. Petrópolis, Rio de Janeiro: Ed. Vozes, 1999. Disponível em: <http://www.profdoni.pro.br/home/images/sampledata/2015/livros/sabercuidar.pdf>. Acesso em: 17 jul. de 2019.

BRASIL. Orientações Técnicas para Serviços de Acolhimento Institucional. Conselho Nacional da Criança e do Adolescente (CONANDA) e Conselho Nacional da Assistência Social (CNAS). Brasília, junho de 2009. Disponível em: <http://www.mds.gov.br/webarquivos/publicacao/assistencia_social/Cadernos/orientacoes-tecnicas-servicos-de-alcolhimento.pdf>. Acesso em: 03 jul. de 2019.

______. Lei n° 6.697, de 10 de Outubro de 1979. Dispõe sobre o Código de Menores. Brasília, Outubro de 1979. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/1970-1979/L6697.htm>. Acesso em: 03 jul. de 2019.

______. Lei n° 8.069, de 13 de Julho de 1990. Dispõe sobre o Estatuto da criança e do Adolescente e dá outras providências. Brasília, Julho de 1990. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l8069.htm>. Acesso em: 03 jul. de 2019.

______. Lei n° 7.644, de 18 de dezembro de 1987. Dispõe sobre a Regulamentação da Atividade de Mãe social e dá Outras Providências. Brasília, Dezembro de 1987. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/L7644.htm>. Acesso em: 23 jun. de 2019.

COUTO, Inalda; MELO, Valéria. Reconstruindo a história do atendimento à infância no Brasil. In: BAZÍLIO, Luiz Cavaliere; EARP, Maria de Lourdes Sá; NORONHA, Patricia Anido. Infância tutelada e educação: história, política e legislação. Rio de Janeiro: Ravil, 1998. p. 20-38.

ALDEIAS INFANTIS SOS BRASIL Estatuto. 12 de julho de 2018.

FIGUEIREDO, Nádia. “Mãe social”: um estudo psicanalítico sobre a opção profissional de ser mãe. Dissertação Mestrado em Psicologia – Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais. Belo Horizonte, 2006. Disponível em: <http://livros01.livrosgratis.com.br/cp008041.pdf>. Acesso em: 07 jul. de 2019.

FRANÇA, Dirce B. Mãe social: o mito de reprodução do amor materno nas instituições de abrigo. Cuidados no início da vida: clínica, instituição, pesquisa e metapsicologia-Lou Muniz Atem (org) – São Paulo, Casa do Psicólogo, 2008. p. 1-8. Disponível em: <http://reconstruindovinculos.org.br/wp-content/uploads/2011/05/maes-sociais-o-mito-da-reprodu%C3%A7ao-do-amor-materno.pdf>. Acesso em: 29 jul. de 2019.

GALVÃO, Abílio Bruno. A ética em Michel Foucault: do cuidado de si à estética da existência. Intuitio. Porto Alegre: Revista do Programa de Pós-Graduação em Filosofia da UFRGS. Vol. 7, n. 1 (2014), p. 157-168. Disponível em: <http://revistaseletronicas.pucrs.br/ojs/index.php/intuitio/article/view/17068>.

Acesso em: 03 jul. de 2019.

MARCÍLIO, Maria Luiza. História social da criança abandonada. São Paulo: Editora Hucitec, 1998. p. 332.

MELIM, Juliana I. Trajetória da proteção social brasileira à infância e à adolescência nos marcos das relações capitalistas. Serv. Soc.& Saúde. CampinasSP. v. 11, n. 2 (14) p. 167-184, jul./ dez. 2012.

NOGUEIRA, Paula; COSTA, Liana. Mãe social: profissão? Função materna? Estilos clin. São Paulo. vol.10 n.19, dez. 2005. p. 162-181. Disponível em: <http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1415-71282005000200010>. Acesso em: 24 jun. de 2019.

OLIVEIRA, Daniela. Maternidade, missão e renúncia: um estudo sobre Mães sociais. Dissertação (mestrado) – Instituto de Psicologia da Universidade do Estado do Rio de Janeiro, 2011. Disponível em: <http://www.bdtd.uerj.br/tde_busca/arquivo.php?codArquivo=6664>. Acesso em: 24 jun. de 2019.

OLIVEIRA, Daniela; UZIEL, Anna Paula. Mãe social: a construção de um paradigma de cuidado materno nos espaços de acolhimento institucional. DESIDADES: Revista Electrónica de Divulgación Científica de la Infancia y la Juventud, v. 4, n. 12, p. 17-28, 2016. Disponível em: <http://desidades.ufrj.br/featured_topic/mae-social-a-construcao-de-um-paradigma-de-cuidado-materno-nos-espacos-de-acolhimento-institucional/4/>. Acesso em: 24 jun. de 2019.

RIZZINI, Irene; RIZZINI, Irma. A institucionalização de crianças no Brasil: percurso histórico e desafios do presente. São Paulo: Editora PUC-RJ, 2004. p. 96.

SÁ, Elizabet D. Limites e possibilidades da Mãe-social nas casas-lares. Belo Horizonte, 29 de outubro de 1998. Disponível em: <https://www.lerparaver.com/lpv/limites-possibilidades-mae-social-casas-lares>. Acesso em: 03 jul. de 2019.

SILVA, Chris Giselle. Código Mello Mattos: um olhar sobre a assistência e a proteção aos “menores”. Revista em debate – fascículo n. 8, PUC-Rio de Janeiro, 2009. p. 14. Disponível em: <https://www.maxwell.vrac.pucrio.br/colecao.php?strSecao=resultado&nrSeq=14406@1&meta=1>. Acesso em: 17 jul. de 2019.

SOUZA, Carolina; ANJOS, Joelma; DAMACENA, Adriane; LEOPOLDO, Denise. O papel das cuidadoras de crianças e adolescentes e as nuances do acolhimento institucional. Aracaju, 2016.

WAGNER, Luciane; VIEIRA, Grazielli; MACIEL, Vera. A terceirização dos cuidados infantis: um fenômeno histórico. Revista de Educação do COGEIME – Ano 26 – n. 51. 2017.

Publicado
2019-10-19