“Uma das mais bellas páginas de vosso brilhante passado”:

Barão Homem de Melo, o IHGSE e a invenção do herói de Aracaju (1917)

  • Magno Francisco de Jesus Santos

Resumo

Ao longo da primeira metade do século XX, o exercício de escrita da história do Brasil teve como palcos privilegiados os institutos históricos e geográficos. As casas de memórias, tanto a nacional, assim como as congêneres estaduais atuaram como fábricas de heróis, de composição de enredos que entrelaçavam passados, forjavam marcos históricos, valoravam espaços e pincelavam a face do povo a partir do espelho biográfico. A biografia do herói emergia como o retrato de seu povo. Neste artigo analiso as comemorações promovidas pelo Instituto Histórico e Geográfico de Sergipe sobre o fundador de Aracaju: Inácio Joaquim Barbosa. Pautado nas notícias de jornais e nas conferências publicadas na Revista do IHGSE, torna-se possível entender como os escritos biográficos do Barão Homem de Melo contribuíram para forjar um retrato dizível para um herói sem face.