Do paradigma da dominação para o paradigma da coexistência

educação ou reencontro

  • Mairon Escorsi Valério Universidade Federal da Fronteira Sul
  • Elisabete Cristina Hammes Universidade Federal da Fronteira Sul
Palavras-chave: Alteridade, Cosmologia Kaingang, Decolonialidade

Resumo

Este artigo surge de um estudo que busca encontrar a lógica intrínseca na produção de conhecimento de um dos povos nativos que sobreviveu ao extermínio, e hoje, após 500 anos de dominação, acessa o ensino superior. O povo Kaingang possui uma organização cosmológica diferenciada daquela que origina a ciência hegemônica. No lugar de dualidades opositoras, constrói sentidos e significados em dualidades complementares. Este e outros diferenciais podem contribuir significativamente para caminharmos para um outro paradigma, onde dualidades e hierarquias perdem o sentido, e a razão. Muito mais do que um objeto de uso e exploração, a natureza é nossa casa. Reencontrar o caminho de casa é uma tarefa possível, desde que estejamos abertos a permitir outras percepções, e relações com os seres que habitam o planeta.

Biografia do Autor

Mairon Escorsi Valério, Universidade Federal da Fronteira Sul

Biografia (pequeno resumo): Professor Adjunto I da Universidade Federal da Fronteira Sul (Erechim, RS). Doutor em História Cultural pela Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP). Mestre em História Cultural pela Universidade Estadual de Campinas e graduado em Licenciatura em História pela mesma instituição. Atualmente é membro permanente do Programa de Pós-Graduação Interdisciplinar em Ciências Humanas (PPGICH) e do Programa de Pós-Graduação Profissional em Educação (PPGE). A partir dos referenciais da História Cultural das Religiões tem como foco de pesquisa o aspecto cultural do catolicismo da libertação no Brasil e na América Latina, a constituição das redes de intelectuais religiosos transnacionais, sua estrutura discursiva, seu diálogo com as ciências humanas e a dimensão simbólica de suas representações sobre a América Latina. Tem pesquisas também na área de ensino de história e suas referências teóricas no diálogo com a educação e com a própria teoria da história. É membro do Centro de Estudos em História Cultural das Religiões (CEHIR).

Elisabete Cristina Hammes, Universidade Federal da Fronteira Sul

Biografia (pequeno resumo): Licenciada em Educação Física pela Universidade Federal de Santa Catarina (1999), é acadêmica concluinte do Curso Interdisciplinar em Educação do Campo - Ciências da Natureza/UFFS, e do Mestrado Interdisciplinar em Ciências Humanas PPGICH/UFFS. Especialista em Gestão Escolar pela Universidade Castelo Branco (2005), e em Saúde Coletiva: Ênfase em Saúde Mental, pela Escola de Saúde Pública/RS (2009). Inicia seus estudos sobre o modelo científico hegemônico, analisando os efeitos da cisão corpo-mente, suas consequências para a saúde, para o equilíbrio do ser humano e dos ecossistemas. Atualmente o foco está voltado à análise dos efeitos da colonialidade sobre a vida e a produção do conhecimento dos povos originários, e do registro das contribuições e formas de produção de conhecimento e de vida por estas populações, subalternizadas pelo modelo econômico, político, cultural e epistêmico vigente. Atua como Técnica em Assuntos Educacionais na Universidade Federal da Fronteira Sul – campus Erechim.

Referências

ANDRADE, Eduardo. Sistema médico kaingang: Conhecimentos e utilização de “remédios do mato” na Terra Indígena Apucarana. Primeiros Estudos, (5), 75-85. Disponível em: , acesso em 12 dez. 2019.

ALIMONDA, Hector. La colonialidad de la naturaliza: una aproximación a la ecología política latino-americana. In: ALIMONDA, Hector (Coord.). La naturaleza colonizada: ecología política y minería en América Latina. Buenos Aires: CLACSO, 2011. p. 21-58.

BIASI, Adriana A. B. P. Os especialistas Kaingang e sua relação com o território tradicional envolvendo suas práticas de cura e de formação espiritual. X Encontro de História Oral.
LUCK, Heloisa. Liderança em gestão escolar. 4. ed. Petrópolis: Vozes, 2010.

CADETE, Daniel. Ervas medicinais no ensino de ciência: saberes indígena kaingang. Trabalho de Conclusão de Curso. Curso Interdisciplinar em Educação do Campo: Ciências da Natureza. UFFS. Erechim. 2019.

FLEURI, Reinaldo Matias. Intercultura e educação. Revista Brasileira de Educação, Rio de Janeiro, n. 23, p. 16-35, Aug. 2003. . Disponível em: ttp://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-24782003000200003&lng=en&nrm=iso>. Acesso em: 29 jun. 2020.

GUISSO, Cintia Maria da Silva. BERNARDI, Lúcia T. M. S. O significado da sociocosmologia nas histórias dos kofa ag: o mundo e a vida kaingang. Espaço Ameríndio, Porto Alegre, v. 11, n. 2, p. 143-166, jul./dez.

LAPPE, Emilí. 2015. 207 p. Espacialidades sociais e territoriais kaingang: terras indígenas Foxá e Por Fi Gâ em contextos urbanos dos rios Taquari-Antas e Sinos. Dissertação (Mestrado em Ambiente e Desenvolvimento), Centro Universitário UNIVATES, Lageado, 2015

LAPPE, Emilí; LAROQUE, Luis Fernando da Silva. Indígenas e Natureza: a reciprocidade entre os Kaingang e a natureza nas Terras Indígenas Por Fi Gâ, Jamã Tÿ Tãnh e Foxá. Desenvolvimento e Meio Ambiente, v. 34, p. 147-156, ago. 2015.


MANDUCA, Adelar F. F. N. Da aldeia à universidade: os acadêmicos indígenas no curso interdisciplinar em educação do campo: ciências sociais e humanas – licenciatura da universidade federal da fronteira sul. Trabalho de Conclusão de Curso. Curso Interdisciplinar em Educação do Campo: Ciências Sociais e Humanas. UFFS. Laranjeiras do Sul. 2017.

OLIVEIRA, Philippe Hanna de Almeida. Comida forte e comida fraca: Alimentação e Fabricação dos corpos entre os Kaingáng da Terra Indígena Xapecó (Santa Catarina, Brasil). 2009. 151f, Dissertação (Antropologia Social). Florianópolis, 2009.

SALGADO, S. D. C.; MENEZES, A. K.; SANCHEZ, C. A colonialidade como projeto estruturante da crise ecológica e a educação ambiental desde el sur como possível caminho para a decolonialidade. Revista Pedagógica, Chapecó, v. 21, p. 597-622, 2019. Revista Pedagógica, Chapecó, v. 21, p. 597-622, 2019.

PORSH, Juliano. Porsh, Juliano. Saberes da natureza e conhecimento etnobotânico indígena o caso da comunidade kaingang na terra indígena de guarita. 2011. 63 f. Monografia (Técnologo em Planejamento e Gestão para o Desenvolvimento Rural) Faculdade de Ciencias Economicas – UFRGS, 2011.
Publicado
2020-10-29
Como Citar
Escorsi Valério, M., & Cristina Hammes, E. (2020). Do paradigma da dominação para o paradigma da coexistência: educação ou reencontro. Revista Sergipana De Educação Ambiental, 7(Especial), 1-13. https://doi.org/10.47401/revisea.v7iEspecial.14517