Tensões entre transformação e reprodução de discursos socioambientais:

A formação do(a) educador(a) socioambiental na Comissão Interinstitucional de Educação Ambiental de Sergipe (CIEASE), Nordeste do Brasil

  • Yasmim Nunes Carvalho Universidade Federal de Sergipe
  • Aline Lima de Oliveira Nepomuceno Universidade Federal de Sergipe
Palavras-chave: Educação ambiental; Formação de educadores socioambientais; Políticas públicas ambientais.

Resumo

A Comissão Interinstitucional de Educação Ambiental de Sergipe (CIEASE) foi criada em 1999, pelo decreto estadual 18.509. A CIEASE é formada por representantes de órgãos estatais de Meio Ambiente, Educação, Cultura e Esporte, universidades, de ONGs e da sociedade civil. A principal responsabilidade desta comissão é a definição, implementação e o acompanhamento da Política Estadual de Educação Ambiental. A pesquisa teve como objetivo buscar respostas para alguns desafios enfrentados na implementação da Educação Ambiental no Estado de Sergipe, especificamente em relação à CIEASE para a formação de educadores(as) socioambientais. Utilizou-se uma metodologia com abordagem qualitativa, na qual foi feita uma análise, baseada em Análise Textual Discursiva, dos documentos cedidos pela Comissão e das entrevistas semiestruturadas. Conclui-se que a formação dos membros da CIEASE como educador(a) socioambiental não está alinhada à EA Crítica, o que possivelmente limita os interesses políticos e a atuação desta comissão.

Biografia do Autor

Yasmim Nunes Carvalho, Universidade Federal de Sergipe

Graduada em Ciências Biológicas pela Universidade Federal de Sergipe. Desempenha pesquisas na área de Educação Ambiental junto ao Projeto Sala Verde UFS. É professora de Ciências e Biologia na Educação Básica.

Aline Lima de Oliveira Nepomuceno, Universidade Federal de Sergipe

Doutora em Educação (PPGED-UFS-2017), mestre em Educação (PPGEduc-UFRRJ-2012), graduação em Ciências Biológicas (Licenciatura Plena) (UFS- 2009). Desempenha pesquisas junto ao Grupo de Estudos e Pesquisa em Educação Ambiental de Sergipe (GEPEASE-UFS), ao Projeto Sala Verde na UFS, ao Grupo de Estudos e Pesquisa em Educação Ambiental, Diversidade e Sustentabilidade (GEPEADS-UFRRJ) e ao Grupo de Estudos em Educação Científica (GEPEC-UFS), atuando nas áreas de Educação Ambiental, Formação de Professores, Metodologias Participativas, Metodologias para o Ensino de Ciências e Biologia. É professora do ensino superior efetiva do Departamento de Biologia da UFS e membro permanente do Programa de Pós-graduação em Educação (PPGED) - UFS.

Referências

ARROYO, M. G. Educação e exclusão da cidadania. In: BUFFA, E. et al. (Orgs.). Educação e cidadania: quem educa o cidadão? São Paulo: Cortez, 2007. p. 31-80.

CARVALHO, I. C. de M. Territorialidades em luta: uma análise dos discursos ecológicos. 1988. 133 f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Instituto de Estudos Avançados em Educação/Fundação Getúlio Vargas, Rio de Janeiro, 1988.

CARVALHO, I. C. de M.. Educação ambiental crítica: nomes e endereçamentos da educação. In: LAYRARGUES, P. P. (Org.). Identidades da educação ambiental brasileira. Brasília: Ministério do Meio Ambiente, 2004. p. 13-25.

CARVALHO, I. C. M. Educação ambiental: a formação do sujeito ecológico. São Paulo: Cortez Editora, 2008.

FREIRE, P. Pedagogia do oprimido. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2005.

FREIRE, P. Educação como prática da liberdade. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2009.

GADOTTI, M. Pedagogia da práxis. 3. ed. São Paulo: Cortez, 2001.

GIROUX, H. A., MCLAREN, P. Formação do professor como uma contra-esfera pública: a pedagogia radical como forma de política cultural. In: MOREIRA, A. F., SILVA, T. T.(orgs) Currículo, Cultura e Sociedade. 11a ed. São Paulo, Cortez, 2009.

GUDYNAS, E. Ciudadania ambiental y meta-ciudadanias ecológicas: revision y alternativas en America Latina. Desenvolvimento e Meio Ambiente, n. 19, p. 53-72, jan./jun. 2009.

GUIMARÃES, M. Educação ambiental: no consenso um embate? São Paulo: Papirus. 2000.

GUIMARÃES, M. A formação de educadores ambientais. Campinas: Papirus, 2004.

GUIMARÃES, M. Armadilha paradigmáticas na educação. In: LOUREIRO, C. F. B.; LAYRARGUES, P. P.; CASTRO, R. S. (Orgs.). Pensamento complexo, dialética e educação ambiental. São Paulo: Cortez, 2006. p. 15-29.

LAYRARGUES, P. P. (Org.). Identidades da educação ambiental brasileira. Brasília: Ministério do Meio Ambiente, 2004.

LAYRARGUES, P. P. ; LIMA. G. F. C. Mapeando as macro-tendências político-pedagógicas da educação ambiental contemporânea no Brasil. In: VI ENCONTRO DE PESQUISA EM EDUCAÇÂO AMBIENTAL, 2011, Ribeirão Preto- SP. Anais... Ribeirão Preto- SP, 2011. p. 1- 15.

LAYRARGUES, P. P. ; LIMA. G. F. C. As macrotendências político-pedagógicas da educação ambiental brasileira. Ambiente & Sociedade, v. XVII, n. 1 p. 23-40 n jan-mar. 2014.

LOUREIRO, C. F. B. Teoria social e a questão ambiental: pressupostos para uma práxis crítica em educação ambiental. In: LOUREIRO, C. F. B.; LAYRARGUES, P. P.; CASTRO, R. S. (Orgs.). Sociedade e meio ambiente: a educação ambiental em debate. 5. ed. São Paulo: Cortez, 2008. p. 12-51.

LOUREIRO, C. F. B. Crítica ao teoricismo e ao praticismo na educação ambiental. In: NETO, A. C.; MACEDO-FILHO, F. D.; BATISTA, M. S. S. (Orgs.). Educação ambiental: caminhos traçados, debates políticos e práticas escolares. Brasília: Líber Livro Editora, 2010. p. 136- 159.

LOUREIRO, C. F. B. Educação ambiental e movimentos sociais na construção da cidadania ecológica e planetária. In: LOUREIRO, C. F. B.; LAYRARGUES, P. P.; CASTRO, R. S. de (Orgs.). Educação ambiental: repensando o espaço da cidadania. 5. ed. São Paulo: Cortez, 2011. p. 73-103.

LOUREIRO, C. F. B. Trajetória e fundamentos da educação ambiental. 4. ed. São Paulo: Cortez, 2012.

MACPHERSON, C. B. Democracia liberal: origens e evolução. Rio de Janeiro: Zahar, 1978.

MARCONI, M. de A.; LAKATOS, E. M. Fundamentos de metodologia científica. 6. ed. São Paulo: Atlas, 2009.
MÉSZÁROS, I. Educação para além do capital. 2. ed. São Paulo: Boitempo, 2008.

MINAYO, M. C. de S. Ciência, técnica e arte: o desafio da pesquisa social. In: MINAYO, M. C. de S. et al (Orgs.). Pesquisa social: teoria, método e criatividade. 2. ed. Petrópolis: Vozes, 1994. p. 9-29.

MORAES, R. Uma tempestade de luz: a compreensão possibilitada pela análise textual discursiva. Ciência e Educação, Bauru – SP, v. 9, n. 2, p. 191-211, 2003.

MORAES, R.; GALIAZZI, M. do C. Análise textual discursiva: processo reconstrutivo de múltiplas faces. Ciência e Educação, Bauru – SP, v. 12, n. 1, p. 117-128, 2006.

NEPOMUCENO, A. L. O. Das tensões políticas à prática pedagógica socioambiental: contextos da Política Estadual de Educação Ambiental (SE). 2017. 242f. Tese (Doutorado em Educação). Universidade Federal de Sergipe, São Cristóvão, 2017.

NEPOMUCENO, A. L. O.; GUIMARÃES, M. Caminhos da práxis participativa à construção da cidadania socioambiental. Ambiente & Educação, vol. 21, n. 1, p. 59-74, 2016.

NOVICKI, V. Práxis: problematizando consciência e participação na educação ambiental brasileira. In: LOUREIRO. C. F. B. et al (Orgs.). A questão ambiental no pensamento critico: natureza, trabalho e educação. Rio de Janeiro: Quartet, 2007. p. 135-171.

OLIVEIRA, A. L. A perspectiva participativa para a inserção da educação ambiental crítica em escolas da Baixada Fluminense. 2012. 143 f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Instituto de Educação/Instituto Multidisciplinar, Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro, Seropédica/Nova Iguaçu, 2012.

OLIVEIRA, A. L.; GUIMARÃES, M. Da práxis participativa à Educação Ambiental Crítica: análises de propostas formativas de educadores ambientais da baixada fluminense. Revista Tempos e Espaços em Educação, v. 5, n. 8, p. 11-26, janeiro/junho 2012.

ÓRGÃO GESTOR DA POLÍTICA NACIONAL DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL. Documentos Técnicos: CIEAS. Brasília, 2005.

QUINTAS, J. S. A Dimensão Socioambiental na Gestão Ambiental Pública: uma contribuição para repensar a Estrutura Regimental do IBAMA e do ICMBIO. BRASÍLIA 2008 (doc.mimeo).

QUINTAS, J. S. Uma cartografia das correntes em educação ambiental. In: SATO, M.; CARVALHO, I. C. de M. (Orgs). Educação ambiental: pesquisa e desafios. Porto Alegre: Artmed, 2005a. p. 17-44.

QUINTAS, J. S. Educação ambiental: possibilidades e limites. Educação e Pesquisa, São Paulo, v. 31, n. 2, p. 317-322, maio/ago. 2005b. Disponível em: . Acesso em: 2 nov. 2011.

RODRIGUES, J. do N. Das concepções prévias aos sentidos construídos na formação crítica do educador ambiental. 2010. 180 f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Instituto de Educação/Instituto Multidisciplinar, Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro, Seropédica/Nova Iguaçu, 2010.
SILVA, R. L. F. O meio ambiente por trás da tela – estudo das concepções de educação ambiental dos filmes da TV Escola. 2007. 258 f. Tese (Doutorado em Educação) - Faculdade de Educação da USP, São Paulo, 2007.

SORRENTINO, M.; TRAJBER, R. MENDONÇA, P. FERRARO JÚNIOR. L. A. Educação ambiental como política pública. Educação e Pesquisa, São Paulo, v. 31, n. 2, p. 285-299, maio/ago. 2005.

SORRENTINO, M.; TRAJBER, R. Políticas de Educação Ambiental do Órgão Gestor. In: LIPAI, E.; DEBONI, F.; SORRENTINO, M.; MENDONÇA, P.; LAYRARGUES. P. P.; TRAJBER, R.; MELLO, S. S. Vamos cuidar do Brasil: Conceitos e práticas em Educação Ambiental na escola. UNESCO. Brasília, 2007, p. 13-19.

WESTPHAL, M. F.; BÓGUS, C. M.; FARIA, M. M. Grupos focais: experiência precursoras em programas educativos em saúde no Brasil. Boletín de la Oficina Sanitária Panamericana, Washington, v.120, n. 6, p. 472-482, 1996.
Publicado
2020-10-29
Como Citar
Nunes Carvalho, Y., & Lima de Oliveira Nepomuceno, A. (2020). Tensões entre transformação e reprodução de discursos socioambientais:: A formação do(a) educador(a) socioambiental na Comissão Interinstitucional de Educação Ambiental de Sergipe (CIEASE), Nordeste do Brasil . Revista Sergipana De Educação Ambiental, 7(Especial), 1-15. https://doi.org/10.47401/revisea.v7iEspecial.14484