Entre a "oportunidade" e a passagem da "boiada"

mídia, discurso e educação científica e tecnológica

  • Roberto Dalmo Varallo Lima de Oliveira UFPR
  • Patrícia Barbosa Pereira UFPR
  • Leonir Lorenzetti UFPR
Palavras-chave: alfabetização científica, educação ambiental crítica, Educação em Direitos Humanos, análise do discurso.

Resumo

Durante a reunião ministerial realizada no dia 22 de abril de 2020 o Ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, proferiu um discurso que gerou intensas discussões em nível nacional e internacional. O presente artigo analisa como as mídias potencializaram a naturalização dos efeitos de sentidos sobre o agir político do discurso do Ministro Salles e as suas implicações para uma leitura crítica, indispensável para a formação de sujeitos de direitos e a promoção de alfabetização científica. O corpus de análise é composto de artigos publicados nos Jornais O Globo, Folha de São Paulo, Estadão e Zero Hora, utilizando a Análise do Discurso franco-brasileira. Na análise do discurso do Ministro propusemos o entrelaçamento dos fios dos pressupostos teóricos da Alfabetização Científica, da Educação Ambiental Crítica e da Educação em Direitos Humanos.

Biografia do Autor

Roberto Dalmo Varallo Lima de Oliveira, UFPR
Licenciado em Química pela Universidade Federal Fluminense (2012), Mestre e Doutor em Ciência, Tecnologia e Educação pelo CEFET - RJ (2017). Foi professor da Escola Básica. Trabalhou entre 2014 e 2017 na Universidade Federal do Tocantins (UFT), entre 2017 e 2019 na Universidade Federal de Uberlândia (UFU). Atualmente, é professor da Universidade Federal do Paraná (UFPR). Editor da seção Debates em Direitos Humanos, Culturas e Justiça Social no Ensino de Química da Revista REDEQUIM. Coordenador da Coleção Culturas, Direitos Humanos e Diversidades na Educação em Ciências. Nos últimos anos começou a se dedicar aos estudos sobre Jogos Digitais e sua relação com a Educação Científica e Tecnológica.
Patrícia Barbosa Pereira, UFPR

Possui graduação em Ciências Biológicas (Bacharelado e Licenciatura), mestrado e doutorado em Educação Científica e Tecnológica, pela Universidade Federal de Santa Catarina. É professora da Universidade Federal do Paraná, vinculada ao Departamento de Teoria e Prática de Ensino - Setor de Educação, no qual atua nos cursos graduação em Ciências Biológicas e em Pedagogia. Nesta instituição é também credenciada no Programa de Pós-Graduação em Educação e no Programa de Pós-Graduação em Educação em Ciências e em Matemática. Tem experiência na área de Educação, com ênfase em Educação em Ciências e seu ensino/pesquisa, prioritariamente nos seguintes temas: Ensino de Ciências e Linguagem, Estudos Decoloniais e Interculturalidade no Ensino de Ciências/Biologia.

Leonir Lorenzetti, UFPR

Possui graduação em Ciências Habilitação Em Biologia pela Universidade do Contestado (1989), mestrado em Educação pela Universidade Federal de Santa Catarina (2000) e doutorado em Educação Cientifica e Tecnológica pela Universidade Federal de Santa Catarina (2008). Atualmente é professor da Universidade Federal do Paraná, atuando no Departamento de Química e no Programa de Pós-Graduação em Educação em Ciências e Matemática, atuando na Linha Educação em Ciências. Atua também no Programa de Pós-Graduação em Formação Científica, Educacional e Tecnológica da Universidade Tecnológica Federal do Paraná. Lider do Grupo de Pesquisa Alfabetização Científica e Tecnológica na Educação em Ciência. Atuou no Pibid como Coordenador de Área de Gestão de Processos Educacionais no período de 2014 a 2018. Atuou no Programa Licenciar da UFPR. Atuou como Coordenador do Pibid de Área do Curso de Ciências Biológicas (2018 a 2020). Coordenador do Curso de Química (Janeiro a março de 2020). Coordenador da Coordenadoria de Atividades Formativas e Estágios (Abril 2020 - atual) Tem experiência na área de Educação, com ênfase em Ensino de Ciências, Ensino de Biologia e Ensino de Química, atuando principalmente nos seguintes temas:Alfabetização Científica e Tecnológica, CTS, Educação Ambiental, Formação de Professores, Epistemologia de Fleck, Pesquisa do Estado da Arte.

Referências

ACSELRAD, H. Justiça Ambiental – ação coletiva e estratégias argumentativas. In: ACSELRAD, H.; HERCULANO S. e PÁDUA, J. A. (Org.). Justiça Ambiental e Cidadania. Rio de Janeiro: Relume Dumará: Fundação Ford, 2004.
AULER, D.; DELIZOICOV, D. Ciência-Tecnologia-Sociedade: relações estabelecidas por professores de ciências. Revista Electrónica de Enseñanza de las Ciências, Barcelona, v. 5, n.2, p. 337-355, 2006.
CANDAU, V. M.; PAULO, I. ANDRADE, M.; LUCINDA, M. C.; SACAVINO, S.; AMORIN, V. Educação em Direitos Humanos e Formação de professores. São Paulo, Editora Cortez, 2013, 232p.
CHARAUDEAU, P.; MAINGUENEAU, D. Dicionário de Análise do Discurso. 2ª ed. São Paulo: Contexto, 2008.
GALEANO, E. O livro dos Abraços. Porto Alegre: L&PM, 2014. 272p.
HAZEN, R. M.; TREFIL J. Saber ciência. São Paulo: Cultura Editores Associados, 1995.
GUIMARÃES, M. G. Educadores ambientais em uma perspectiva crítica - reflexões em Xerém. 2003. Tese (Doutorado em Desenvolvimento Agricultura e Sociedade) - Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2003.
LEAL, M. C.; GOUVÊA, G. Narrativa, mito, ciência e tecnologia: o ensino da ciência na escola e no museu. Ensaio pesquisa em educação em ciências, Belo Horizonte, v.2, n.1, p. 5-33, jan/jun., 2000.
LORENZETTI, L. Alfabetização científicas nas séries iniciais. 2000. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2000.
MARQUES, A. C. T. L.; MARANDINO, M. Alfabetização científica, crianças e espaços de educação não formal: diálogos possíveis. Educação e Pesquisa, São Paulo, v. 44, p. 1-1, 2018.
MILARÉ, T.; ALVES FILHO, J. de P. Ciências no nono ano do ensino fundamental: da disciplinaridade à alfabetização científica e tecnológica. Ensaio – Pesquisa em Educação em Ciências, Belo Horizonte, v. 12, n. 2, p. 101-120, maio/ago., 2010.
MBEMBE, A. Necropolítica. Arte & Ensaios. Rio de Janeiro, n. 32, p. 123-151, 2016.
OLIVEIRA, P, P. ; CASTRO, E. M. N. V.; GUIMARÃES, M. Travessias para Educação Ambiental ‘Desde el sur’: uma agenda política critica comum em ‘zonas de sacrifício’como o Brasil e América Latina. Ambiente & Educação, v. 23, n. 1, p. 8-30, 2018.
ORLANDI, E. P. Análise de Discurso – Princípios e Procedimentos. 5. ed. Campinas: Pontes, 2003.
ORLANDI, E. P. As formas do silêncio: No movimento dos sentidos. Campinas: Editora Unicamp, 2007.
ORLANDI, E. P. Terra à vista – discurso do confronto: velho e novo mundo. Campinas: Editora Unicamp, 2008.
ORLANDI, E. P. A linguagem e seu funcionamento – as formas do discurso. 6. ed. Campinas: Pontes, 2011.
PÊCHEUX, M. O Discurso: estrutura ou acontecimento. Campinas: Pontes, 2006.
RIOS, N. T. Educação Ambiental e Direitos Humanos na formação inicial de Professores de Ciências Biológicas. Tese (Doutorado em Educação) PUC, Rio de Janeiro, 2016.
RAMIARINA, N. T. R. Conteúdos cordiais no currículo de ciências e biologia: possibilidades na educação ambiental e direitos humanos In: TEIXEIRA, P. P.; OLIVEIRA, R. D. V. L.; QUEIROZ, G. R. P. C. Conteúdos cordiais: biologia humanizada para uma escola sem mordaças. São Paulo, Editora Livraria da Física, 2019. Pp163-178.
SIMÕES, E. Uma educação ambiental possível: o programa da Ilha do Cardoso. 1995. Dissertação (Mestrado em Educação) - Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, 1995.
Publicado
2020-10-29
Como Citar
Varallo Lima de Oliveira, R. D., Pereira, P. B., & Lorenzetti, L. (2020). Entre a "oportunidade" e a passagem da "boiada": mídia, discurso e educação científica e tecnológica. Revista Sergipana De Educação Ambiental, 7(Especial), 1-20. https://doi.org/10.47401/revisea.v7iEspecial.14435