Formação docente, tecnologia educacional e Educação Ambiental pós-pandemia da Covid-19

  • Andrea Vieira Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior, Brasília, DF, Brasil
  • Célia Tanajura Machado Universidade do Estado da Bahia (UNEB)
  • Diogo Souza Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, RS, Brasil
Palavras-chave: Pandemia da Covid-19. Formação de professores. Ensino de Ciências. Educação Ambiental

Resumo

O presente artigo objetiva refletir sobre o contexto político e legal da formação de professores para o Ensino de Ciências no Brasil e o papel da Educação Ambiental durante e após a pandemia da Covid-19, quando do retorno dos estudantes das redes públicas de ensino às atividades escolares, levando em consideração o uso da tecnologia educacional como possibilidade de uma interlocução transformadora na vida escolar. O estudo aqui apresentado caracteriza-se como um exercício teórico e adotou, como metodologia para a produção de dados estudos bibliográficos e análise de documentos. Como resultados encontrados restou consolidada a necessidade de que as aprendizagens alcançadas por estudantes e professores durante a quarentena da pandemia  devem ser valorizadas, especialmente em processo de formação de professores para o Ensino de Ciências e que os saberes aprendidos em Educação Ambiental são fundamentais para a convivência de estudantes e professores nas escolas, quando do retorno às atividades escolares.

Biografia do Autor

Andrea Vieira, Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior, Brasília, DF, Brasil

Possui graduação em Ciências Econômicas pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte (2000), especialização em Economia do Setor Público (2010) e mestrado em Desenvolvimento, Sociedade e Cooperação Internacional (2019) pela Universidade de Brasília (UnB). Doutoranda do curso de Educação em Ciências Química da Vida na Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS) sua pesquisa concentra-se na formação de professores e processos de Internacionalização. Atualmente é Coordenadora Geral do Portal de Periódicos (Capes). Foi Diretora de Formação Docente e Valorização de Profissionais da Educação na Secretaria de educação Básica do Ministério da Educação (MEC) em 2020. Desde 2008 é Analista em Ciência e Tecnologia da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes), tendo exercido os cargos de Coordenadora de Candidaturas Internacionais (2012-2014), Coordenadora de Bolsas no Exterior (2014-2018) e Coordenadora Geral de Programas Internacionais (2018-2020). Foi secretária executiva e posteriormente Coordenadora do Grupo de Trabalho do Portal de Periódicos da CAPES (2017 - 2020) responsável por avaliar e subsidiar a aquisição e renovação de conteúdo do referido Portal.

Célia Tanajura Machado, Universidade do Estado da Bahia (UNEB)

Possui Licenciatura em Letras Vernáculas pela Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia (1986), Mestrado em Educação: História, Política, Sociedade pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (2001) e Doutorado em Educação pela Universidade Federal da Bahia (2007). Realizou o Pós-Doutorado no Centro de Educação da Universidade Federal de Santa Maria (2018). Atualmente é professora da Universidade do Estado da Bahia, conselheira do Conselho Estadual de Educação da Bahia, Conselheira do Conselho Editorial da Editora da Universidade do Estado da Bahia e membro da Rede de Ensino, Pesquisa e Extensão da Educação Profissional e Tecnológica Pública da Bahia. É lider do Grupo de estudos e pesquisas em Gestão, Trabalho e Educação e Professora do Programa de Pós-Graduação em Gestão e Tecnologias em Educação (Gestec/UNEB). Tem experiência na área de Educação, com ênfase em Educação Profissional, atuando principalmente nos seguintes temas: educação profissional, formação de professores, legislação educacional brasileira, política educacional e gestão escolar.

Diogo Souza, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, RS, Brasil

Concluí meu curso de Medicina em 1971, na Universidade Católica de Pelotas. Iniciei, em 1972, minhas atividades como aluno e pesquisador em Bioquímica na UFRGS (Prof. Tuiskon Dick). Em 1976 concluí meu Mestrado na UFRJ (Prof. Leopoldo de Meis) e, em 1980, meu Doutorado na UFRJ (Prof. Iván Izquierdo). Em 1980-1981 fiz meu Pós Doutorado (CNPq) na University of London (Prof. Richard Rodnight) e em 1987/1988 fui Professor Visitante do Laboratório de Neurobiologia, Universidad Autónoma de Madrid (Prof. Galo Ramirez). Em 1994/1995 fui Professor Visitante no Laboratório de Bioenergética, Departamento de Bioquímica Médica, UFRJ (Prof. Leopoldo de Meis). Em 1998 fui Visiting Scientist, no Neurology Service, Veterans Affair Medical Center, CA, USA (Prof. Raymond Swanson). Já publiquei mais de 500 artigos científicos em revistas indexadas de circulação internacional, orientei inúmeras Teses de Doutorado, Dissertações de Mestrado, Supervisões de Pós-Doutorado e dezenas de alunos de Iniciação Científica. Esta atuação envolve basicamente a área de Neurociências, onde atuo longo de toda minha vida científica, trabalhando em injúria cerebral mediada por glutamato e neuroproteção exercida pelo nucleosídeo guanosina, abordando aspectos básicos e clínicos de doenças cerebrais. Mais recentemente, comecei a me envolver com a área de Educação em Ciências, onde orientei várias Teses de Doutorado e Dissertações de Mestrado. Recentemente liderei a criação de um PPG em Educação em Ciências na UFRGS, tendo sido seu primeiro Coordenador. Atualmente, sou revisor de artigos científicos em mais de 30 periódicos internacionais, indexados.

Referências

BRASIL, MEC/CNE. Resolução CNE/CP nº 2, de 15 de junho de 2012. Estabelece as Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação Ambiental. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_docman&view=download&alias=10988-rcp002-12-pdf&category_slug=maio-2012-pdf&Itemid=30192 Acesso em: 03/09/2020.
BRASIL, MEC/CNE. Resolução CNE/CP nº 2, de 20 de dezembro de 2019.Define as Diretrizes Curriculares Nacionais para a Formação Inicial de Professores para a Educação Básica e institui a Base Nacional Comum para a Formação Inicial de Professores da Educação Básica (BNC-Formação). Disponível em: http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_docman&view=download&alias=135951-rcp002-19&category_slug=dezembro-2019-pdf&Itemid=30192 Acesso em : 02/09/2020
BRASIL, MEC/CNE.Resolução CNE/CP nº 1, de 2 de julho de 2019.Altera o Art. 22 da Resolução CNE/CP nº 2, de 1º de julho de 2015, que define as Diretrizes Curriculares Nacionais para a formação inicial em nível superior (cursos de licenciatura, cursos de formação pedagógica para graduados e cursos de segunda licenciatura) e para a formação continuada. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_docman&view=download&alias=116731-rcp001-19&category_slug=julho-2019-pdf&Itemid=30192 Acesso em: 02/09/2020
BRASIL, PILab,UnB – Nota técnica Retorno às atividades IFES – 27 de maio de 2020.
BRASIL. Decreto nº 8.977, de 30 de janeiro de 2017. Aprova o Estatuto e o Quadro Demonstrativo dos Cargos em Comissão e das Funções de Confiança da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior - Capes e substitui cargos em comissão do Grupo-Direção e Assessoramento Superiores - DAS por Funções Comissionadas do Poder Executivo - FCPE. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2015-2018/2017/decreto/D8977.htm. Acesso em: 12/09/2020.
BRASIL. Lei n. 9.795 de 27 de abril de 1999. Dispõe sobre a Educação Ambiental, institui a Política Nacional de Educação Ambiental – PNEA e dá outras providências. Disponível em: https://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l9795.htm Acesso em: 03/09/2020.
BRASIL. Lei nº 11.502, de 11 de julho de 2007. Modifica as competências e a estrutura organizacional da fundação Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior - CAPES, de que trata a Lei no 8.405, de 9 de janeiro de 1992; e altera as Leis nos 8.405, de 9 de janeiro de 1992, e 11.273, de 6 de fevereiro de 2006, que autoriza a concessão de bolsas de estudo e de pesquisa a participantes de programas de formação inicial e continuada de professores para a educação básica. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2007-2010/2007/Lei/L11502.htm. Acesso em: 11/09/2020.
BRUMATI, Keli Cristina. A Educação Ambiental no Ensino em Ciência. 2011. 38 folhas. Monografia (Especialização em Ensino de Ciências). Universidade Tecnológica Federal do Paraná, Medianeira, 2011. Disponível em: http://repositorio.roca.utfpr.edu.br/jspui/bitstream/1/2594/1/MD_ENSCIE_2011_1_08.pdf Acesso em: 08/092020.
DAL-FARRA, R. A.; VALDUGA, M. A Educação Ambiental na formação continuada de professores: reflexões a respeito das práticas compartilhadas de construção. Linhas Críticas, v. 18, n. 36, p. 395-415, 2012.
FARIA, J. B.; DINIZ-PEREIRA, J. E. Residência pedagógica: afinal, o que é isso?. Revista de Educação Pública, [S. l.], v. 28, n. 68, p. 333-356, 2019. DOI: 10.29286/rep.v28i68.8393. Disponível em: https://periodicoscientificos.ufmt.br/ojs/index.php/educacaopublica/article/view/8393. Acesso em: 13 set. 2020.
GATTI, Bernardete A.. Formação de professores no Brasil: características e problemas. Educ. Soc., Campinas , v. 31, n. 113, p. 1355-1379, dez. 2010 . Disponível em . acessos em 07 set. 2020. https://doi.org/10.1590/S0101-73302010000400016.
HENRIQUES, Cláudio Maierovitch Pessanha; VASCONCELOS, Wagner. Crises dentro da crise: respostas, incertezas e desencontros no combate à pandemia da Covid-19 no Brasil. Estud. av., São Paulo , v. 34, n. 99, p. 25-44, ago. 2020. Disponível em . acessos em 08 set. 2020. Epub 10-Jul-2020. http://dx.doi.org/10.1590/s0103-4014.2020.3499.003.
IPEA. Acesso Domiciliar à Internet e Ensino Remoto Durante a Pandemia. Nota Técnica nº 88 de agosto de 2020. Disponível em: https://www.ipea.gov.br/portal/images/stories/PDFs/nota_tecnica/200902_nt_disoc_n_88.pdf Acesso em: 03/09/2020.
LOUREIRO, C. F. B. Educação Ambiental Transformadora. In: Layrargues, P. P. (Coord.) Identidades da Educação Ambiental Brasileira. Brasília: Ministério do Meio Ambiente, 2004.
SILVA NETO, Nathanael da Cruz e; LOPES, Silvana Fernandes; TORRES, Julio Cesar; BRANDÃO, Carlos da Fonseca. A inserção da Capes na formação de professores da educação básica no Brasil. EccoS Revista Científica, núm.40, p.145. Disponível em: https://www.redalyc.org/articulo.oa?id=715/71548306010161. Acesso em: 13/09/2020.
VASCONCELOS, C. Possibilidades para a inserção da educação ambiental na formação docente. Revista Espaço Pedagógico, v. 24, n. 2, 14 dez. 2017.
VILLAS BÔAS, Fernanda Litvin; MARTINS, Leila Chalub; SOARES NETO, Joaquim José . Contribuições da Theory-Driven Evaluation para avaliação do Pibid. Estudos em Avaliação Educacional (IMPRESSO), v. 30, p. 70-102, 2019.
ZANCAN RODRIGUES, L.; PEREIRA, B.; MOHR, A. O Documento “Proposta para Base Nacional Comum da Formação de Professores da Educação Básica” (BNCFP): Dez Razões para Temer e Contestar a BNCFP. Revista Brasileira de Pesquisa em Educação em Ciências, v. 20, n. u, p. 1-39, 24 jan. 2020
Publicado
2020-10-29
Como Citar
CARVALHO VIEIRA, A., Tanajura Machado, C., & Onofre Gomes de Souza, D. (2020). Formação docente, tecnologia educacional e Educação Ambiental pós-pandemia da Covid-19. Revista Sergipana De Educação Ambiental, 7(Especial), 1-17. https://doi.org/10.47401/revisea.v7iEspecial.14402