Guaranização da educação em ciências:

caminhos para o bem viver no envolvimento com a comunidade do Morro dos Cavalos

  • Raíza Padilha Universidade Federal de Santa Catarina
  • Kerexu Yxapyry Centro de Formação Tataendy Rupa
  • Suzani Cassiani Professora da Universidade Federal de Santa Catarina
Palavras-chave: Bem Viver. Educação Científica. Guarani.

Resumo

Este artigo se constrói a partir de uma pesquisa-ação na elaboração do Plano de Gestão Territorial e Ambiental do Morro dos Cavalos junto à comunidade Guarani. Buscamos perceber entendimentos de conceitos como: "ambiente", "natureza", "vida", "território" e práticas pedagógicas para a educação em ciências. Com isso, percebemos a necessidade de “guaranizar” a ciências para construção de novos valores civilizatórios que confrontam a colonialidade, o capitalismo e construa a busca pela liberdade de todas as formas de vida, o nhandereko Guarani, ou o "bem viver", fundido pelos povos originários da América Latina. Mudanças em "forma" e "conteúdos" são apontados como necessárias. A linguagem, a importância das palavras, dos conceitos, do corpo, do movimento, de conflitos de racionalidades que busque uma educação anti-racista e envolvida com o todo.

Biografia do Autor

Raíza Padilha , Universidade Federal de Santa Catarina
Graduada em Ciências Biológicas pela Universidade Federal de Santa Catarina, Mestra em Educação Científica e Tecnológica pela mesma instituição. Membra do grupo Discursos da Ciência e Tecnologia na Educação e colaboradora do Centro de Formação Tataendy Rupã da terra indígena Morro dos Cavalos. 
 
Kerexu Yxapyry, Centro de Formação Tataendy Rupa

Formada em Licenciatura Indígena pela Universidade Federal de Santa Catarina, membra do Centro de Formação Tataendy Rupa. Liderança Guarani Mbya de Santa Catarina e da Articulação de Povos Indígenas do Brasil.

Suzani Cassiani , Professora da Universidade Federal de Santa Catarina

É professora titular da Universidade Federal de Santa Catarina, atua no Programa de Pós-Graduação em Educação Científica e Tecnológica e líder do Grupo de Estudos e Pesquisas Discursos da Ciência e da Tecnologia na Educação. É licenciada em Ciências Biológicas com Especialização, Mestrado, Doutorado em Educação pela UNICAMP (2000) e Pós Doutorado em Ciências Sociais (Estágio Sênior (2015) na Universidade de Coimbra-Portugal. Foi professora na rede pública do Estado de São Paulo, durante 12 anos (1988 a 1996). Na UFSC, atuou na gestão na Pró-Reitoria de Graduação e do PPGECT. Coordenou projetos nacionais em rede (Observatório da Educação, Prodocência e Procad) e projetos internacionais especialmente com o Timor-Leste(Programa de Qualificação Docente e Ensino de Língua Portuguesa da CAPES, Pró Mobilidade Internacional, Projeto Internacionalização da UFSC), pela CAPES e CNPq. É coordenadora do Acordo de Cooperação entre a UFSC e Universidade Nacional de Timor Lorosa'e. Sua área de investigação envolve estudos discursivos relacionados à formação de professores, efeitos de colonialidade e pedagogias decoloniais na educação em ciências. Faz parte da diretoria da Associação Brasileira de Pesquisa em Educação em Ciências (ABRAPEC), desde 2015. Atualmente é editora assistente da Revista Portuguesa de Educação em Ciências.

Referências

ANTUNES, Eunice. Sistema Nacional de educação: um paradoxo do currículo diferenciado das escolas indígenas Guarani da grande Florianópolis. Trabalho de Conclusão de Curso de Licenciatura Intercultural Indígena do Sul da Mata Atlântica, Universidade Federal de Santa Catarina. Florianópolis, 2015.

CASSIANI, Suzani & LINSINGEN, I. von. Resistir, (Re) existir, (Re)ivnventar a Educação Científica e Tecnológica. Núcleo de Publicações da Universidade Federal de Santa Catarina, 2019. https://dicite.paginas.ufsc.br/files/2019/08/PDFinterativo-eBook.DiCiTE.pdf Acessado em 08/09/2020

COMISSÃO GUARANI YVYRUPA. Carta da 8a Assembleia da Comissão Guarani Yvyrupa. Disponível em: http://www.yvyrupa.org.br/carta-da-8a-assembleia-da-comissao-guarani-yvyrupa-2/ Acesso em: 6 de jan. 2020

FREIRE, Paulo. Pedagogia da autonomia saberes necessários à prática educativa. Editora Paz & Terra. 57o edição. Rio de Janeiro/ São Paulo, 2018.

GONÇALVES, João Batista. Etnoterritorialidade e a homologação da Terra Indígena Morro dos Cavalos. Trabalho de Conclusão de Curso de Licenciatura Intercultural Indígena do Sul da Mata Atlântica, Universidade Federal de Santa Catarina. Florianópolis, 2005.

GROSFOGUEL, Ramón. A estrutura do conhecimento nas universidades ocidentalizadas: racismo/sexismo epistêmico e os quatro genocídios/epistemicídios do longo século XVI. Revista Sociedade e Estado, 2016. Disponível em: https://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0102-69922016000100025&script=sci_arttext Acesso 08 de set. 2020.

PERUZZO, Cicilia M.Krohling. Epistemologia e método da pesquisa ­ação. Uma aproximação aos movimentos sociais e à comunicação. Associação Nacional dos Programas de Pós­ Graduação em Comunicação XXV Encontro Anual da Compós, Universidade Federal de Goiás, Goiânia, 2016.

QUIJANO, Aníbal. Bem viver: Entre desenvolvimento e a des/colonialidade do poder.
R. Fac. Dir. UFG, v. 37, n. 1, p.46-57, jan. / jun. 2013.

QUIJANO, Aníbal. Colonialidade do poder, eurocentrismo e América Latina. In: A colonialidade do saber eurocentrismo e ciências sociais. Perspectivas latino americanas. Edgardo Lander (org). Colección Sur Sur, CLACSO. Buenos Aires, 2005.

WALLERSTEIN, Immanuel Maurice.O universalismo europeu: a retórica do poder. Tradução: Beatriz Medina. Editora Boitempo. São Paulo, 2007.

WALSH, Catherine. Interculturalidade crítica e pedagogia Decolonial: in-surgir, re-existir e re-viver. In: CANDAU, Vera (Org.). Educação Intercultural na América Latina: entre concepções, tensões e propostas. Rio de Janeiro: 07 Letras, 2009.
Publicado
2020-10-29
Como Citar
PADILHA SCANAVACA , R., Antunes , E., & CASSIANI , S. (2020). Guaranização da educação em ciências:: caminhos para o bem viver no envolvimento com a comunidade do Morro dos Cavalos . Revista Sergipana De Educação Ambiental, 7(Especial), 1-14. https://doi.org/10.47401/revisea.v7iEspecial.14397