Entre o bélico e o diplomático

transicionar a ciência como possibilidade de humanizar a educação ambiental

  • Alice Pagan Universidade Federal de Sergipe UFS
Palavras-chave: autoconhecimento, ecofeminismo, transgênero

Resumo

Refleti sobre as características dos elementos não racionais da aprendizagem e suas contribuições a um ensino de biologia para o autoconhecimento. Primeiramente apresentei algumas das limitações do modelo de ciência bélica, embasada na racionalidade, fazendo uma provocação sobre a necessidade de transiciona-la para um modelo com características femininas e diplomáticas. Por fim, trouxe propostas para pensarmos o contexto pandêmico, a partir dessa  perspectiva. Concluí que feminilizar a ciência não é simplesmente formar mulheres para serem cientistas, é agregar as habilidades femininas para esse fazer, construindo assim relações ecossociais diplomáticas em detrimento daquelas bélicas, da ciência patriarcal colonizadora. A partir dessa perspectiva pensando em reduzirmos as vulnerabilidades frente ao COVID-19, é fundamental refletirmos sobre os afetos que emergem das relações interespecíficas. Isso começa a ser possível quando passamos a considerar um ensino-aprendizagem que se coloque para além da racionalidade, que passe pela fruição, pelas conexões afetivas e viscerais com o planeta.

Biografia do Autor

Alice Pagan, Universidade Federal de Sergipe UFS

Licenciada em Biologia e Doutora em Educação. Professora do Departamento de Biologia da Universidade Federal de Sergipe.

Referências

ALVES, Manoel Messias; Pagan, Alice Alexandre. Correlação entre equilíbrio emocional e vulnerabilidade às IST/AIDS num estudo sobre desempenho escolar com adolescentes. R. Educ. Públ., Cuiabá, v. 28, n. 69, p. 793-819, set./dez. 2019. Disponível em: https://periodicoscientificos.ufmt.br/ojs/index.php/educacaopublica/article/view/7896. Acesso em agosto de 2020.
ALVES, Manoel Messias; Pagan, Alice Alexandre. Aproximação das questões sociocientíficas em um instrumento de avaliação escolar em ciências: uma estratégia para identificar vulnerabilidade dos adolescentes às ist/aids. # Tear: Revista de Educação Ciência e Tecnologia, v. 9, n. 1, 2020. Disponível em: https://periodicos.ifrs.edu.br/index.php/tear/article/view/4016/2648 Acesso em agosto de 2020.
BIZZO, Nélio. Eugenia: quando a biologia faz falta ao cidadão. Caderno Pesquisa, nº 92 v. 38 -52, São Paulo, 1995.
EL-HANI, C. N.; MORTIMER, E. F. Multicultural education, pragmatism, and the goals of science teaching. Revista Cultural Studies of Science Education, v. 2, i. 3, p. 657-702, 2007.
CHASSOT, Ático. A Ciência é masculina? Sim senhora. (3a ed.). São Leopoldo: Editora UNISINOS, 2004.
CISNE Negro. (Black Swan), filme dirigido por Darren Aronofsky e estrelado por Natalie Portman, Vincent Cassel, Mila Kunis, Barbara Hershey e Winona Ryder, 2010
COSTA, Eduardo. A confraria da esquina. O que os homens de verdade falam em torno de uma carne queimando: etnografia de um churrasco de esquina no subúrbio carioca - RJ. Ciênc. saúde coletiva, Rio de Janeiro, v. 10, n. 1, p. 262-263, Mar. 2005. Available from . access on 08 Sept. 2020. https://doi.org/10.1590/S1413-81232005000100034.
FEDERICI, S. (2004). O Calibã e a Bruxa: mulheres, corpo e acumulação primitiva. Tradução: Coletivo Sycorax. SP: Elefante, 2017
FRENCH, Steven. Ciência: conceitos-chave em filosofia. Trad.: André Klaudat. Porto Alegre: Artmed, 2009, 196 pp.
HARARI, Yuval Noah. Sapiens – Uma Breve História da Humanidade. 29a Edição. Editora Harper, 2011.
INGOLD, Tim. Humanidade e animalidade. Revista Brasileira de Ciências Sociais, n. junho, p. 1–15, 1995.
INGOLD, Tim. “Da transmissão de representações à educação da atenção”. Educação, Porto Alegre, v. 33, n. 1, p. 6-25, jan./abr. 2010
MAIA, Berta Rodrigues; DIAS, Paulo César. Ansiedade, depressão e estresse em estudantes universitários: o impacto da COVID-19. Estud. psicol. (Campinas), Campinas, v. 37, e200067, 2020 . Available from . access on 18 Aug. 2020. Epub May 18, 2020. http://dx.doi.org/10.1590/1982-0275202037e200067.
Pública da UFMT, Cuiabá, v. 20, n. 44, p. 445–461, 2011.
PAGAN, A. A. Biologia para o Autoconhecimento: Algumas Considerações Autobiográficas. In: XI Encontro Nacional de Pesquisa em Educação em Ciências. Florianópolis/SC, 2017.
PAGAN, A. A. Ser (animal) humano: evolucionismo e criacionismo nas concepções de alguns graduandos em Ciências Biológicas. 2009. 228 f. Tese de Doutorado – Faculdade de Educação da Universidade de São Paulo, São Paulo, 2009.
PAGAN, A. A. O ser humano do Ensino de Biologia: uma abordagem fundamentada no autoconhecimento. Revista entreideias: educação, cultura e sociedade. V. 7, 2018. 73-86 pp.
PAGAN, A. A.; EL-HANI, C. N.; BIZZO, N. A identidade humana e o alter vivo: concepções de alguns alunos de Ciências Biológicas conceptions of some biological science students. Revista Educação Pública da UFMT, Cuiabá, v. 20, n. 44, p. 445–461, 2011.
PÉREZ, J. A.; MOSCOVICI, S.; CHULVI, B. (2002). Natura y cultura como principio de clasificación social. Anclaje de representaciones sociales sobre minorías étnicas. Revista de Psicología Social, 17(1), 51-67
ROSENDO, Daniela; OLIVEIRA, Fabio A. G.; CARVALHO, Priscila; KUHNEN, Tania A. (org.). Ecofeminismos: fundamentos teóricos e práxis interseccionais. Rio de Janeiro: Ape’ku, 2019.
SCHMIDT, Beatriz et al . Saúde mental e intervenções psicológicas diante da pandemia do novo coronavírus (COVID-19). Estud. psicol. (Campinas), Campinas , v. 37, e200063, 2020 . Available from . access on 18 Aug. 2020. Epub May 18, 2020. https://doi.org/10.1590/1982-0275202037e200063.
Publicado
2020-10-30
Como Citar
Pagan, A. (2020). Entre o bélico e o diplomático: transicionar a ciência como possibilidade de humanizar a educação ambiental. Revista Sergipana De Educação Ambiental, 7(Especial), 1-19. https://doi.org/10.47401/revisea.v7iEspecial.14387