Olhares ambientais na 6ª Feira de Ciências da Bahia:

antropofagias e desterritorializações em tempos de pandemia

  • Javier Giovanny Sánchez Molano Universidade Federal da Bahia
  • Rosiléia Oliveira de Almeida Universidade Federal da Bahia
Palavras-chave: Educação Ambiental, Feiras de Ciências, Interculturalidade, Pandemia

Resumo

Neste tecido textual se propõem desterritorializações desde uma perspectiva ambiental, conceituada segundo autores que agenciam epistemologias inSURgentes como Marcos Reigota, Enrique Leff e Felix Guattari. A referida perspectiva foi cartografada nas narrativas de jovens estudantes participantes na VI Feira de Ciências do Estado da Bahia, ocorrida em novembro de 2017. Na discussão, destaca-se como os dispositivos de interculturalidade antropofágica, tradução intercultural, transdisciplinaridade e agência política se abrem como interstícios para o desenvolvimento de uma Educação Científica Ambientalmente Dirigida. Uma perspectiva de educação que tem sido construida a partir das contribuições de diversas epistemologias contra-hegemônicas emergentes desde o Sul Global, e que nestes momentos se projeta a partir dos silêncios, lacunas, vazios e incertezas dos tempos da pandemia, para se tornar potência e possibilidade de escolas geradoras de futuros pós-pandêmicos sustentáveis.

Biografia do Autor

Javier Giovanny Sánchez Molano, Universidade Federal da Bahia

Doutorando do programa de Pós-graduação em Ensino, Filosofia e História das Ciências, com área de concentração em Educação Científica e Formação de Professores, da Universidade Federal da Bahia UFBA e da Universidade Estadual de Feira de Santana UEFS . Obteve em 2016 o título de Mestre em Ensino, Filosofia e História das Ciências, com área de concentração em Educação Científica e Formação de Professores; pela Universidade Federal da Bahia UFBA e a Universidade Estadual de Feira de Santana UEFS. Possui graduação em Biología - Universidad Nacional de Colombia - Bogotá (2008). Especialista em Educação e Gestão Ambiental da Universidad Distrital Francisco José de Caldas (2011). Participa do grupo de pesquisa INTERFACES: CULTURA, CIÊNCIA E AMBIENTE NA EDUCAÇÃO CRÍTICA ligado ao grupo ENCIMA (Ensino de Ciências e Matemática) da Faculdade de Educação da Universidade Federal da Bahia. Colabora com o grupo de pesquisa RIZOMA da Universidade Estadual de Feira de Santana. Tem experiência na área de Educação, atuando principalmente nos seguintes temas: Educação Ambiental, Ensino de Ciências, Estudos Culturais.

Rosiléia Oliveira de Almeida, Universidade Federal da Bahia

Possui Licenciatura Plena em Ciências Biológicas pela Universidade Federal de Juiz de Fora - UFJF (1988), mestrado em Educação pela Universidade Estadual de Campinas - UNICAMP (1998) e doutorado em Educação pela Universidade Estadual de Campinas - UNICAMP (2008). É professora associada do Departamento de Educação II da Faculdade de Educação da Universidade Federal da Bahia (UFBA), onde atua no Curso de Licenciatura em Ciências Naturais e nos cursos de Pós-Graduação em Educação (FACED-UFBA) em Ensino, Filosofia e História das Ciências (UFBA-UEFS) e no Mestrado Profissional em Educação (FACED-UFBA. É membro dos grupos de pesquisa Ensino de Ciências e Matemática (EnCiMa-UFBA) e Ensino, História e Filosofia das Ciências Biológicas (LEFHBio-UFBA). Exerceu o cargo de coordenadora do Curso de Licenciatura em Ciências Naturais da Faculdade de Educação da UFBA entre 2013 e 2016. Atuou entre 2014-2018 como vice-coordenadora do Programa de Pós-Graduação em Ensino, Filosofia e História das Ciências (UFBA/UEFS). Foi membro da Câmara Técnica de Ciências Humanas e Educação da FAPESB (Biênio 2015-2018). Coordenadora da linha Currículo e (In)Formação do Programa de Pós-Graduação em Educação FACED-UFBA desde julho de 2018. Membro do Instituto Nacional de Ciência e Tecnologia em Estudos Interdisciplinares e Transdisciplinares em Ecologia e Evolução (INCT IN-TREE). Atua nas áreas de Educação em Ciência e Ensino de Biologia, sendo seus principais temas de interesse: aprendizagem escolar, educação intercultural, educação ambiental, formação de professores e pesquisa colaborativa de inovações educacionais.

Referências

BENJAMIN, Walter. O narrador, considerações sobre a obra de Nikolai Leskov. In: BENJAMIN, Walter. Magia e técnica, arte e política. Obras escolhidas. Tradução de Sérgio Paulo Rouanet. 3. ed. São Paulo: Brasiliense, 1987. v. 1, p. 197-221. https://monoskop.org/images/3/32/Benjamin_Walter_Obras_escolhidas_1.pdf
BOUFLEUR, Rodrigo. Fundamentos da Gambiarra: A improvisação utilitária contemporânea e seu contexto socioeconômico. Tese (Doutorado) - FAU-USP, São Paulo, 2013. https://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/16/16133/tde-02072013-134355/publico/Fundamentos_Gambiarra_Rodrigo_Boufleur_Revisada.pdf
CARVALHO, Isabel Cristina de Moura. Materialismos e epistemologias ecológicas: o que nos dizem as pedras? ou as pedras não falam? In: BOER, Noemí; ZANELLA, Diego; PEIXOTO, Sandra. (Org.). ENSINO, AMBIENTE E CULTURA. Interfaces na formação docente. Santa Maria, RS: Centro Universitário Franciscano, 2017. https://issuu.com/editoraunifra/docs/jne_-_final
DELEUZE, Gilles; GUATTARI, Félix. Introdução: Rizoma. In: DELEUZE, Gilles; GUATTARI, Félix. Mil Platôs (Capitalismo e Esquizofrenia). Tradução de Aurélio Guerra Neto e Célia Pinto Costa. São Paulo: Editora 34, 1995. https://historiacultural.mpbnet.com.br/pos-modernismo/Rizoma-Deleuze_Guattari.pdf
GUATTARI, Félix. Caosmose. Um novo paradigma estético. Tradução Ana Lúcia de Oliveira e Lúcia Claudia Leão. São Paulo: Editora 34, 1992. https://miriamgrossi.paginas.ufsc.br/files/2013/02/Caosmose.pdf
GUATTARI, Félix. Las tres ecologías. Tradução de José Pérez e Umbelina Larraceleta. Valencia, Espanha: Pre-textos, 1996. https://www.arteuna.com/talleres/lab/ediciones/FelixGuattariLastresecologas.pdf
HALL, Stuart. Diásporas, ou a lógica da tradução cultural. Matrizes, São Paulo, v. 10, n. 3, p. 47-58, sep./dez. 2016.
LACEY, Hugh. A imparcialidade da ciência e as responsabilidades dos cientistas. Scientiae Studia. São Paulo, v. 9, n. 3, p. 487-500, 2011. http://www.scielo.br/pdf/ss/v9n3/v9n3a03.pdf
LACEY, Hugh. Pluralismo metodológico, incomensurabilidade e o status científico do conhecimento tradicional. Scientiae Studia. São Paulo, v. 10, n. 3, p. 425-53, 2012. www.scielo.br/pdf/ss/v10n3/02.pdf
LARROSA, Jorge. Notas sobre a experiência e o saber de experiência. Revista Brasileira de Educação, Rio de Janeiro, n. 19, p. 20-28, jan./abr. 2002. www.scielo.br/pdf/rbedu/n19/n19a02.pdf
LEFF, Enrique. Racionalidad ambiental. La reapropiación social de la naturaleza. México: Siglo XXI, 2009.
LEFF, Enrique. Saber ambiental: sustentabilidad, racionalidad, complejidad, poder. 3. ed. México: Siglo XXI, 2010.
REIGOTA, Marcos. A educação ambiental frente aos desafios apresentados pelos discursos contemporâneos sobre a natureza. Educação e Pesquisa, São Paulo, v. 36, n. 2, p. 539-553, maio/ago. 2010. www.scielo.br/pdf/ep/v36n2/a08v36n2.pdf
REIGOTA, Marcos. A floresta e a escola: por uma educação ambiental pós-moderna.
4. ed. São Paulo: Cortez, 2011.
REIGOTA, Marcos. Educação ambiental, emergência de um campo científico. Perspectiva, Florianópolis, v. 30, n. 2, p. 499-520, maio-ago. 2012. https://periodicos.ufsc.br/index.php/perspectiva/article/view/2175-795X.2012v30n2p499/23328
REIGOTA, Marcos. O que é educação ambiental. São Paulo: Brasiliense, 2012.
SANTOS, Boaventura de Sousa. Descolonizar el saber, reinventar el poder. Montevideo, Uruguay: Ediciones Trilce - Extensión Universitaria. Universidad de la República. 2010. www.boaventuradesousasantos.pt/media/Descolonizar%20el%20saber_final%20-%20Cópia.pdf
SANTOS, Boaventura de Sousa. O futuro do Fórum social mundial: o trabalho da tradução. OSAL DEBATES, n. 15, p. 77-90, 2004. http://biblioteca.clacso.edu.ar/clacso/osal/20110308113027/8sousasantos15.pdf
SANTOS, Boaventura de Sousa. Para além do pensamento abissal: das linhas globais a uma ecologia dos saberes. In: SANTOS, Boaventura de Sousa; MENESES, Maria Paula (Orgs.). Epistemologias do Sul. Coimbra: Almedina-CES, 2009. p. 23-73. https://www.researchgate.net/publication/28234156_Epistemologias_do_Sul
SANTOS, Boaventura de Sousa. Vírus: tudo o que é sólido se desfaz no ar. In: SANTOS, Boaventura de Sousa. A Cruel Pedagogia do Vírus. Coimbra: Almedina-CES, abril, 2020. https://jornalistaslivres.org/boaventura-de-sousa-santos-a-cruel-pedagogia-do-virus/
Publicado
2020-06-11
Como Citar
Sánchez Molano, J. G., & Oliveira de Almeida, R. (2020). Olhares ambientais na 6ª Feira de Ciências da Bahia:: antropofagias e desterritorializações em tempos de pandemia. Revista Sergipana De Educação Ambiental, 7(1), 1 - 22. https://doi.org/10.47401/revisea.v9i1.13603