Investigando o perfil e elementos motivacionais de plantadores de árvores em suas práticas de protagonismo ambiental

  • Fabio Gabriel Nascibem Universidade Estadual de Campinas, Programa de Pós-graduação Multiunidades em Ensino de Ciências e Matemática. Campinas, SP, Brasil.
  • Alessandra Aparecida Viveiro Universidade Estadual de Campinas, Faculdade de Educação. Campinas, SP, Brasil.
  • Oswaldo Gonçalves Junior Universidade Estadual de Campinas, Faculdade de Ciências Aplicadas. Limeira, SP, Brasil.
Palavras-chave: Arborização. Motivação. Protagonimo ambiental.

Resumo

O presente artigo origina-se de pesquisa que teve por objetivo investigar práticas de protagonismo ambiental relacionadas à arborização. Dessa forma, procurou-se investigar as motivações envolvidas em práticas de arborização promovidas por atores sociais em diferentes espaços. Foram utilizadas a etnografia de rede social e histórias orais, sendo os critérios de análise emersos desse processo. Os atores sociais foram identificados por meio de reportagens da grande mídia, em uma comunidade no Facebook, denominada “Plantadores de Árvores”, e também por meio de indicações, sendo selecionados para entrevistas plantadores residentes em pequena, média e grande mancha urbana. Há indícios, de acordo com os principais resultados, que haja relação entre a motivação central dos plantadores e sua causa de plantar com a temática do pertencimento e que o entendimento das relações entre saberes e fazeres parece ser importante neste processo. Tais apontamentos sinalizam que a pluralidade de saberes, fazeres, culturas e ópticas estão presentes, abrindo espaço para discussão sobre uma racionalidade ambiental envolvida.

Biografia do Autor

Fabio Gabriel Nascibem, Universidade Estadual de Campinas, Programa de Pós-graduação Multiunidades em Ensino de Ciências e Matemática. Campinas, SP, Brasil.

Mestre em Ensino de Ciências e Matemática pela Universidade Estadual de Campinas. 

Alessandra Aparecida Viveiro, Universidade Estadual de Campinas, Faculdade de Educação. Campinas, SP, Brasil.

Doutora em Educação para a Ciência pela Universidade Estadual Paulista "Júlio de Mesquita Filho"

Oswaldo Gonçalves Junior, Universidade Estadual de Campinas, Faculdade de Ciências Aplicadas. Limeira, SP, Brasil.

Doutor em Administração Pública e Governo pela Faculdade Getúlio Vargas com Pós-doutorado pela Columbia University. 

Referências

ALBERTI, V. Manual de História Oral. 2. ed. Rio de Janeiro: Editora Fundação Getulio Vargas, 2004.

FLECK, L. Gênese e desenvolvimento de um fato científico. Belo Horizonte: Fabrefactum, 2010.

GARNICA, A. V. M. ¿Cómo se puede implementar la historia oral en lá educación matemática? Revista Educación y Pedagogía, v. 23, n. 59, p. 67-83, 2011.

LEFF, E. Ecologia, capital e cultura: a territorialização da racionalidade ambiental. Petrópolis: Editora Vozes, 2009a.

LEFF, E. Complexidade, racionalidade ambiental e diálogo de saberes. Educação & realidade, v. 34, n. 3, p. 17-24, 2009b.

LEFF, E. Discursos sustentáveis. São Paulo: Cortez, 2010a.

LEFF, E. Pensar a complexidade ambiental. In: LEFF, E (Coor.). A complexidade ambiental. 2. ed. São Paulo: Cortez, 2010b.

LEFF, E. Complexidade, interdisciplinaridade e saber ambiental. Revista Olhar de Professor, v. 2, n. 14, p. 309-335, 2011.

LEFF, E. Saber Ambiental: sustentabilidade racionalidade, complexidade, poder. 11. ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2015.
Publicado
2020-06-11
Como Citar
Nascibem, F. G., Viveiro, A. A., & Gonçalves Junior, O. (2020). Investigando o perfil e elementos motivacionais de plantadores de árvores em suas práticas de protagonismo ambiental . Revista Sergipana De Educação Ambiental, 7(1), 1 - 19. https://doi.org/10.47401/revisea.v9i1.13580