Chamada para Publicação XVII

2020-10-24

O mundo dos mortos e suas representações

O prazo final para submissão: 30/03/2021

A descida ao mundo dos mortos (katábasis entre os gregos, descensus entre os latinos) é um expediente ou um topoi longevo que remonta aos antigos mesopotâmicos e egípcios. Sabemos disso desde o século XIX, quando arqueólogos desenterraram plaquinhas com cuneiformes e exploraram câmaras funerárias de antigos faraós. Episódios como a descida de Ishtar ao Kurnugu, a trajetória da barca solar e a batalha contra as forças do caos durante as horas noturnas, a catábase dos heróis gregos e romanos em busca de informações junto aos mortos, a viagem de Dante Alighieri pelo inferno, purgatório e paraíso, permitem que o estudioso se aproxime de descrições do mundo ctônico, do Hades, dos infernos, e consiga vislumbrar as expectativas e projeções datadas de uma determinada cultura, afinal, as características do além dizem muito sobre a maneira como esses povos concebiam a existência, o comportamento dos vivos e, portanto, o sentido da vida. Efetuada por meio de rituais mágicos, hecatombes ou ainda por intermédio de sonhos ou do favor divino, a descida à mansão dos ínferos poderia ser realizada por deuses, heróis, mas também por homens comuns. 


 A catábase, ou o descensus, pode ser pensada também como metáfora da condição humana, como indício de uma grande provação ou sofrimento, como alegoria de uma jornada expiatória ou transformadora que revela os valores de uma época, como tópica artística capaz de evidenciar estilos ou aspectos estéticos das obras,  bem como também de engrenagens sociais.


O presente dossiê pretende reunir trabalhos voltados para essa temática, não apenas para mapear os elementos utilizados para descrever o mundo sobrenatural (metafórico ou não), mas também para investigar aspectos desse imaginário. O intuito é priorizar a diversidade, as singularidades culturais, mas também analogias entre culturas, o uso de noções e conceitos comuns que ajudem a compreender as sutilezas históricas colocadas em relevo por meio dessas representações.

Organizadores:
Cleber Vinicius do Amaral Felipe (INHIS-UFU)
Frederico de Sousa Silva (ILEEL-UFU)