A SOCIEDADE DO CANSAÇO NA PAULICEIA DE LUCIANA TONELLI

Resumo

Flagrantes do tempo: poema-reportagem na pauliceia, de Luciana Tonelli, pode ser considerado como um conjunto de poemas que, apesar das singularidades, compõem uma unidade, nomeada pela poeta “poema-reportagem”. Lido como um percurso por São Paulo, o livro expõe, pelo olhar do sujeito lírico voyeur, o cotidiano urbano capitalista, em que o tempo é fragmentado e, ora os indivíduos estão submetidos à voracidade e à velocidade das horas, ora ao tempo que permite a deriva do olhar. Neste trabalho, pretende-se, a partir de poemas selecionados, refletir sobre como a configuração da urbe capitalista contemporânea limita as vidas dos cidadãos, dando forma ao que Byung-Chul Han denomina sociedade do cansaço. Por uma abordagem transdisciplinar dos estudos literários, busca-se perceber na lírica de Luciana Tonelli como o sujeito urbano é representado em sua exaustão, bem como em condições favoráveis para a reinvenção de suas vidas.

PALAVRAS-CHAVE: Luciana Tonelli. Sociedade do cansaço. Sujeito lírico voyeur.

Biografia do Autor

Antonio Eduardo Soares Laranjeira, Universidade Federal da Bahia - UFBA

Professor Associado I do Instituto de Letras da UFBA, da Área de Teoria da Literatura. Doutor pela UFBA, na linha de pesquisa Estudos de Teorias e Representações Literárias e Culturais.

Referências

CAMARGO, G.O. Subjetividade lírica à margem do centro na poesia contemporânea brasileira e portuguesa. In: XII Congresso Internacional da Associação Brasileira de Literatura Comparada, 12, 2011, Curitiba. Anais do XII Congresso Internacional da Associação Brasileira de Literatura Comparada – Centro, centros; ética e estética. Benito Martinez Rodriguez (org.). Curitiba: Universidade Federal do Paraná, 2011, Disponível em: [https://abralic.org.br/eventos/cong2011/AnaisOnline/resumos/TC1196-1.pdf] Acesso em 10 ago. 2020.

DELEUZE, G. Crítica e clínica. Trad. Peter Pál Pelbart. Rio de Janeiro. Editora 34, 2011.

DELEUZE, G; GUATTARI, F. Mil platôs: capitalismo e esquizofrenia. Trad. Peter Pál Pelbart e Janice Caiafa. Rio de Janeiro: Editora 34, 1997, v. 5.

HAN, B. A sociedade do cansaço. Trad. Enio Paulo Giachini. Petrópolis-RJ: Vozes, 2017.

______. Psicopolítica: o neoliberalismo e as novas técnicas de poder. Trad. Mauricio Liesen. Belo Horizonte: Âyiné, 2018.

LARANJEIRA, A. E. S. Poesia e cultura pop: uma leitura de Eletroencefalodrama e Animal anônimo, de Joca Reiners Terron. Fórum de Literatura Brasileira Contemporânea, n.6, p. 29-45, 2011.

______. O sujeito lírico voyeur de Ramon Mello e Caio Meira. Fórum de Literatura Brasileira Contemporânea. Rio de Janeiro. n.9, p.25-39, 2013.

ROSENFELD, A. O teatro épico. São Paulo: Perspectiva, 2006.

SANTIAGO, S. Nas malhas da letra. Rio de Janeiro: Rocco Digital, 2012.

STAIGER, E. Conceitos fundamentais da poética. Tradução de Celeste Aída Galeão. São Paulo: Tempo Brasileiro, 1997.

TONELLI, L. Flagrantes do tempo: poema-reportagem na Pauliceia. São Paulo: Peirópolis, 2010.

Publicado
2020-10-28
Seção
Confluências da Literatura afro-brasileira