ESCRAVOS E SERTANEJOS: HORIZONTE SOCIAL DO SÉCULO XIX, RESISTÊNCIA E TENSÕES EM VIDAS SECAS

Resumo

A partir da leitura da representação do escravo negro nos discursos político-históricos do século XIX, considerando ainda a hipótese de que ela formará, incidentalmente ou não, a matéria bruta para o retrato ficcional do sertanejo do século XX, este estudo propõe análise do romance Vidas Secas em suas soluções éticas e estéticas para a representação do oprimido, dialogando, portanto, com o pensamento social do século XIX e suas cristalizações sobre o negro escravo. Ao fim, espera-se ter demonstrado como Vidas Secas atualiza a apropriação do pobre na literatura, afastando-se das representações eivadas de vícios e preconceitos cristalizados pelo pensamento dominante.

PALAVRAS-CHAVE: Vidas Secas. Escravidão. Sertanejo. Pensamento social.

Biografia do Autor

Andrius Felipe Roque, Instituto Federal do Paraná - IFPR

Mestre em Letras, técnico em assuntos educacionais no IFPR.

Ana Maria de Fátima Leme Tarini, Instituto Federal do Paraná - IFPR

Doutora em Letras, docente de língua portuguesa e inglesa no IFPR.

Referências

BASTOS, H. Inferno, Alpercata: Trabalho e Liberdade em Vidas Secas (Posfácio). In: RAMOS, G. Vidas Secas. Rio de Janeiro: Record, 127 ed. 2015. p. 129-138.

BOSI, A. História Concisa da Literatura Brasileira. São Paulo: Cultrix, 50ª ed. 2015.

BUENO, L Uma história do romance de 30.Tese de doutorado. Instituto de Estudos da Linguagem, Unicamp, Campinas, SP: 2001.

CANDIDO, A. Cinquenta Anos de Vidas Secas. In: Ficção e Confissão. Rio de Janeiro: Ouro sobre Azul, 3. ed., 2006. p. 143-151.

RAMOS, G. Vidas Secas. Rio de Janeiro: Record, 127 ed., 2015.

SILVA, J. B. A. Projetos para o Brasil. São Paulo: Companhia das Letras, Publifolha, 2000.

TAUNAY, C.A. Manual do Agricultor Brasileiro. São Paulo: Companhia das Letras, 2001.

Publicado
2020-10-28
Seção
Confluências da Literatura afro-brasileira