CADERNOS NEGROS E AMERICANAH: CABELOS CRESPOS, AFIRMAÇÃO IDENTITÁRIA E OUTROS ANSEIOS

Resumo

O objetivo do presente texto é refletir sobre o processo de negação e/ou afirmação identitária das protagonistas em Impressões de uma infância (Cadernos Negros, no 36), de autoria de Silvana Martins (2013) e no romance Americanah, de Chimamanda Adichie (2014), a partir da relação com os seus cabelos crespos. Para tanto, realizamos a pesquisa bibliográfica e nos norteamos em estudos oriundos da literatura em interface com outras áreas do conhecimento. Com base nos estudos de Cuti, Florentina Souza, Jailma Moreira, Ana Rita Santiago e Eduardo Duarte, situamos a noção de literatura negra/afro-brasileira e destacamos a relevância das abordagens que visibilizam as vozes/linguagens das margens (HALL, 2005; hooks, 2019). Dentre estas, as referidas obras e respectivas fundamentações. À guisa da conclusão, refletimos acerca do impacto do padrão estético brancocêntrico (cabelos lisos ou alisados) para a re/constituição identitária das protagonistas culminando-se, por fim, com a “autorrecuperação” (hooks, 2019) e, por conseguinte, a reexistência.

PALAVRAS-CHAVE: Memória. Cabelo crespo. Identidade. Narrativa afro-diaspórica.

Biografia do Autor

Bárbara Maria de Jesus Oliveira, Universidade do Estado da Bahia - UNEB

Mestra em Crítica Cultural (Pós-Crítica/UNEB), membro do grupo de Pesquisa Iraci Gama: Letramentos, Identidades e Formação de Professores/as.

Maria Anória J. Oliveira, Universidade do Estado da Bahia - UNEB

Doutora em Letras/Professora Titular (permanente) do Programa de Pós-Graduação em Crítica Cultural/Pós-Crítica. Líder do grupo de Pesquisa Iraci Gama: Letramentos, Identidades e Formação de Professores/as, membro e coordenadora da Área Literatura, Linguagens e Artes da Associação Brasileira de Pesquisadores Negros.

Referências

ADICHIE, Chimamanda Ngozi. Americanah. Tradução de Julia Romeo, São Paulo: Companhia das Letras, 2014.

ARAUJO, Eliza de Souza Silva. Trançando histórias, tecendo trajetórias: a consciência histórica em Americanah. Dissertação (Mestrado), Universidade Federal da Paraíba (UFPB/CCHLA), 2017.

BRASIL. Diretrizes curriculares Nacionais para a Educação das Relações Étnico-Raciais e para o Ensino de História e Cultura Afro-brasileira e Africana. Brasília: MEC-SECAD/SEPPIR /INEP, 2004.

CARNEIRO, Aparecida Sueli. A construção do outro como não-ser como fundamento do ser. Tese (Doutorado em Educação) Universidade de São Paulo, 2005.

CAVALCANTE, Edilma Bezerra. Um percurso de leitura de Americanah: a experiência que empodera? Dissertação (Mestrado) – Universidade Federal de Pernambuco, Centro de Artes e Comunicação. Letras, 2017 (86 f).

CUTI. Literatura negro-brasileira. São Paulo: Selo Negro, 2010.

DUARTE, Eduardo de Assis. (Org.) Literatura e afrodescendência no Brasil: antologia crítica. Belo Horizonte: Editora da UFMG, 2011.

FANON, Frantz. Pele negra, máscaras brancas. Salvador: EDUFBA, 2008.

GOMES, Nilma Lino. Sem perder a raiz: corpo e cabelo como símbolos da identidade negra. Belo Horizonte: Autêntica, 2006.

HALBWACHS, Maurice. A memória coletiva. 2ª edição. SP: Edições Vértice. Editora Revista dos Tribunais, 1990.

HALL, Stuart. Da diáspora: identidades e mediações culturais. SOVIK (org.). Belo Horizonte: UFMG; Brasília: UNESCO no Brasil, 2003.

hooks, bell. Erguer a voz: pensar como feminista negra. Trad. Cátia Bocaiuva Maringolo. São Paulo: Elefante, 2019a.

______. Olhares negros: raça e representação. Tradução de Sthepanie Borges. São Paulo: Elefante, 2019b.

______. Anseios: raça, gênero e políticas culturais. Tradução de Jamille Pinheiros. São Paulo: Elefante, 2019b.

KUPER, Adam. Cultura, diferença e identidade. In: Cultura. A visão dos antropólogos. Bauru: EDUSC, 2002. p. 287-311.

LIMA, Maria Nazaré Mota de e SOUZA, Ana Lúcia Silva. Letramentos e relações étnico-raciais: perspectivas de descolonização na formação de professoras, in. PEREIRA, Áurea da Silva; CRUZ, Maria de Fátima Berenice da; PAES, Maria Neuma Mascarenhas (Org). Letramentos, identidades e formação de educadores: imagens teórico-metodológicas de pesquisa sobre práticas de letramentos. Campinas: Mercado de Letras, 2018.

MACHADO, Vanda. Pele da cor da noite. Salvador: EDUFBA, 2013.

MARTINS, Silvana. Impressões de uma infância. In: Cadernos Negros 36: Contos afro-brasileiros. São Paulo: Quilombhoje, 2013, p. 101-104.

MBEMBE, Achille (2018). Necropolítica. Tradução Renata Santini, São Paulo: n-1, edições.

MOORE, Carlos. Racismo & sociedade: novas bases epistemológicas para entender o racismo. Belo Horizonte: Mazza Edições, 2007.

MOREIRA, Jailma dos Santos Pedreira. Reescrita de si: produções de escritoras subalternizadas em contexto de políticas culturais. In. Fórum de Literatura Brasileira Contemporânea, Rio de Janeiro, UFRJ, V. 7, no 13, p. 71-88, 2016. Disponível em: https://revistas.ufrj.br/index.php/flbc/article/view/17237, acesso em 08 fev.2018.

NASCIMENTO, Maria Beatriz. Beatriz Nascimento. Quilombola e intelectual. Possibilidades nos dias da destruição. Diáspora Africana: Editora Filhos da África, 2018.

OLIVEIRA, Bárbara Maria de Jesus. Cadernos Negros: (contos): fortalecendo negras raízes? Dissertação (Mestrado em Letras). UNEB, 2014.

ROSEMBERG, Fulvia e SILVA, Paulo Vinícius Baptista da. Brasil: lugares de negros e brancos na mídia. In. DIJK, T. A. Van (Org.). Racismo e discurso na América Latina. São Paulo: Contexto, 2008, p. 73-117.

SANTIAGO, Ana Rita. Vozes de escritoras negras. Cruz das Almas: Editora da UFRB, 2012.

SANTOS, Osmar Moreira. Platô de crítica cultural na Bahia: por um roteiro de trabalho científico transgressor. In. ATAIDE, Cleber (Org). Estudos linguísticos e literários: caminhos e tendências. Recife (e-book], 2019.

SOARES, Ferreira Raysa. #leiamulheres: campo literário e ciberespaço. Dissertação (Mestrado - Mestrado em Literatura) -Universidade de Brasília, 2019.

SOUZA, A. L. S. Letramentos de reexistência–poesia, grafite, música, dança: hip-hop. São Paulo: Parábola Editorial, 2011.

SANTOS, Boaventura de Sousa; MENESES, Maria Paula. (Orgs.) Epistemologias do Sul. São Paulo; Editora Cortez. 2010.

SOUZA, Florentina da Silva. Afro-descendência em Cadernos Negros e Jornal do MNU. Belo Horizonte: Autêntica, 2005.

SOUZA, Neusa Santos. Tornar-se negro: as vicissitudes da identidade do negro brasileiro em ascensão social. Rio de Janeiro: Edições Graal, 1983.

Publicado
2020-10-28
Seção
Confluências da Literatura afro-brasileira