MULHERES NEGRAS RESISTEM NA FICÇÃO DE ESMERALDA RIBEIRO E CONCEIÇÃO EVARISTO

Resumo

O objetivo deste trabalho é apresentar uma leitura dos contos “Guarde segredo”, de Esmeralda Ribeiro, e “Quantos filhos Natalina teve”, de Conceição Evaristo, os quais dialogam sob a perspectiva do feminismo interseccional. Ambos apresentam protagonistas que resistem a formas de submissão da mulher negra: no primeiro conto, a personagem não aceita ser tratada como mero objeto sexual; no segundo, questionam-se os significados da maternidade e suas implicações. Como referencial teórico, utilizam-se textos de Eduardo de Assis Duarte, Florentina Souza, Edmilson de Almeida Pereira, dentre outros.

PALAVRAS-CHAVE: Literatura negra. Interseccionalidade. Esmeralda Ribeiro. Conceição Evaristo.

Biografia do Autor

Maria do Rosário A. Pereira, Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais – CEFET/MG

Doutora em Letras – Estudos Literários pela UFMG; professora dos cursos técnicos e de graduação em Letras no Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais – CEFET-MG; membro dos grupos de pesquisa Letras de Minas/Mulheres em Letras, Atlas, Mulheres na Edição e Mulheres e Ficção.

Referências

AKOTIRENE, Carla. O que é interseccionalidade. Entrevista concedida a Carla Gisele Batista. Disponível em: . Acesso em: 8 maio 2020.

BERTH, J. O que é empoderamento? Belo Horizonte: Letramento/Justificando, 2018.

COUTINHO, Afrânio. A tradição afortunada – o espírito da nacionalidade na crítica brasileira. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 1968.

DUARTE, Constância Lima. Marcas da violência no corpo literário feminino. In: DUARTE, Constância Lima; CÔRTES, Cristiane; PEREIRA, Maria do Rosário Alves (Org.). Escrevivências: identidade, gênero e violência na obra de Conceição Evaristo. 2. ed. Belo Horizonte: Idea, 2018a.

DUARTE, Eduardo de Assis. Rubem Fonseca e Conceição Evaristo: olhares distintos sobre a violência. In: DUARTE, Constância Lima; CÔRTES, Cristiane; PEREIRA, Maria do Rosário Alves (Org.). Escrevivências: identidade, gênero e violência na obra de Conceição Evaristo. 2. ed. Belo Horizonte: Idea, 2018b.

DUARTE, Eduardo de Assis. Por um conceito de literatura afro-brasileira. Disponível em: . Acesso em: 1 jul. 2019.

EVARISTO, Conceição. Olhos d’água. Rio de Janeiro: Pallas; Fundação Biblioteca Nacional, 2014.

KILOMBA, Grada. Memórias da plantação: episódios de racismo cotidiano. Rio de Janeiro: Cobogó, 2019.

LIEBIG, Sueli Meira. Ela matou Cassi Jones: Esmeralda Ribeiro e a sub-rogação do discurso etnocêntrico. 2018. Disponível em: . Acesso em: 7 jul. 2019.

MIRANDA, Fernanda R. Silêncios prescritos: estudo de romances de autoras negras brasileiras (1859-2006). Rio de Janeiro: Malê, 2019.

PEREIRA, Edmilson de Almeida. Panorama da literatura afro-brasileira. Disponível em: . Acesso em: 1 jul. 2019.

PIGLIA, Ricardo. Teses sobre o conto. In: PIGLIA, Ricardo. Formas breves. São Paulo: Companhia das Letras, 2004.

RIBEIRO, Djamila. O que é lugar de fala? Belo Horizonte: Letramento/Justificando, 2017.

RIBEIRO, Esmeralda. Guarde segredo. Disponível em: . Acesso em: 7 jul. 2019.

RICH, Adrienne. Nacemos de mujer: la maternidad como experiência e institución. Madri: Traficantes de Sueños, 2019.

SANTOS, Mirian Cristina dos. Intelectuais negras: prosa negro-brasileira contemporânea. Rio de Janeiro: Malê, 2018.

SOUZA, Florentina de. Gênero e “raça” na literatura brasileira. In: EBLE, Laeticia Jensen; DALCASTAGNÈ, Regina (Org.). Literatura e exclusão. Porto Alegre: Zouk, 2017.

VASCONCELOS, Vania. Maternidade, negritude e literatura. Revista Interdisciplinar, São Cristóvão, UFS, v. 32, p. 75-88, jul.-dez. 2019.

Publicado
2020-10-28
Seção
Confluências da Literatura afro-brasileira