David Bowie e a lógica do sentido na transmutação visual

Resumo

Este trabalho objetiva analisar elementos significativos no campo do desenvolvimento visual da obra singular de David Bowie. Sua trajetória experimental no cenário da arte contemporânea
visual, especificamente no que diz respeito à abordagem estética dos espetáculos de rock e dos videoclipes estilizados, compreende um norte fecundo para aprofundamento de indagações
interpretativas em relação a sua forma de apresentação de conteúdos muito caros no pano de fundo de qualquer artista. O engajamento pela igualdade étnica e social e respeito à diversidade
cultural e às diferenças individuais, impulsionaram seu impulso por um espírito libertário em que arte e política não se dissociam claramente. Ao contrário disso, concebem, por sua vez,
vínculos estéticos no entrelaçamento entre expressão sonora e visual como uma unidade de percepção do mundo que reitera a relevância do pensamento crítico tão necessário ao processo
de humanização das relações sociais.

Biografia do Autor

Paulo da Silva Quadros, Universidade Paulista (UNIP)

É Doutor em Didática pela FE/USP (2009), Mestre em Ciências da Comunicação pela ECA/USP (2002), Bacharel em Letras (com habilitação em Alemão e Português) pela FFLCH/USP (1997), tecnólogo em Processamento de Dados pela FATEC-SP (1990). Membro do Instituto de Matemática e Arte de São Paulo (IMA-SP), Grupo de Cibernética Pedagógica – Laboratório de Linguagens Digitais (LDD-ECA/USP), Grupo de “Estudos Interculturais na EaD: Narrativas de Vida dos Diferentes Brasis (UNIP Interativa). Docente-Tutor no Curso de Gestão em Tecnologia da Informação da Universidade Paulista (UNIP). 

Publicado
2020-06-02