As mulheres nos quadrinhos

O caso da Suécia

Resumo

Na Suécia as mulheres tornaram-se nas últimas décadas um dos alicerces da produção de histórias em quadrinhos nacional, que apresenta a cada ano novos talentos e uma grande variedade de estilos. Elas representam atualmente cerca de 50% dos quadrinhista suecos, num contexto muito diferente dos países franco-belgas, onde as mulheres autoras são minoria e poucas conquistaram notoriedade. Acreditamos que a trajetória da indústria cultural dos quadrinhos na Suécia e a emergência das mulheres, particularmente no início do século XXI, pode nos oferecer elementos para repensar a própria realidade brasileira, não apenas no que diz respeito à produção feminina, mas, também, com relação ao futuro dos quadrinhos, em tempos nos quais a arte se apropria dos conflitos e das demandas populares, seja no Brasil, na Suécia assim como em vários outros países do mundo.

Biografia do Autor

Natania A. S. Nogueira, Associação de Pesquisadores em Arte Sequencial (ASPAS)

Mestra em História do Brasil, professora da educação Básica, sócia fundadora, membro diretivo e pesquisadora
da Associação de Pesquisadores em Arte Sequencial (ASPAS), membro da Academia Leopoldinense de Letras e
Artes (ALLA) e da Academia Lavrense de Letras (ALL). 

Luisa Arantes Bahia, Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF)

Graduada em Letras - Bacharelado Inglês pela Universidade Federal de Juiz de Fora. Mestranda do programa
de pós graduação Estudos Literários e aluna de Letras - Licenciatura Inglês na Universidade Federal de Juiz de Fora. 

Publicado
2020-06-02